Salário estagnado para todos e menor para mulheres e negros. Por quê?

No ‘Poder em Pauta’ da semana, André Barrocal entrevista Luciana Servo, presidente do Ipea

Na semana de outro 1º de Maio, o Dia do Trabalhador, uma constatação: o salário médio no Brasil é o mesmo há uma década. De janeiro de 2014 a dezembro de 2023, oscilou entre 2,8 mil e 3,1 mil por mês, segundo dados do IBGE. Nesse mesmo período, a inflação foi de 76%, a gasolina subiu 90%, os alimentos, 97% e a conta de luz, 134%. Uma situação pior para mulheres e negros. Elas ganham o equivalente a 80% do contracheque de um homem, enquanto os negros recebem o equivalente a 60% do holerite de um branco. O desemprego também tem efeito pior por gênero e raça. Do total de pessoas sem ocupação, 65% são negros (pretos e pardos compõem 55% da população) e 53%, mulheres (elas são 51,5% da população). Sobre esses assuntos, o repórter André Barrocal entrevista Luciana Servo, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.