Por que senador delata Bolsonaro e volta atrás?

No ‘Poder em Pauta’ da semana, André Barrocal recebe o ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) acusou o ex-presidente Jair Bolsonaro de tê-lo coagido a grampear o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mas logo mudou a versão. A coação teria partido do ex-deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), um condenado pelo STF que Bolsonaro anistiou quando ainda era presidente. Independentemente de quem tenha sugerido o grampo, o objetivo da (palavras de Moraes) “Operação Tabajara” era o mesmo: melar a eleição de outubro, impedir a posse de Luiz Inácio Lula da Silva e manter Bolsonaro no poder. Após se desdizer, do Val afirmou publicamente que logo mais iria “chegar no Lula”. O que, afinal, pretende o senador? Sobre esses assuntos o repórter André Barrocal entrevista AO VIVO Eugênio Aragão, ex-ministro da Justiça e subprocurador-geral da República aposentado.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.