PIB sobe, mas salários e preços castigam brasileiro

No ‘Poder em Pauta’ da semana, André Barrocal entrevista Luciano Coutinho, ex-presidente do BNDES

A economia cresceu 2,5% no primeiro semestre, informou nesta quinta-feira 1º o IBGE. Mas, para quem? As condições de vida dos brasileiros estão ruins. O salário médio de quem entrou no mercado de trabalho em julho foi de R$ 1,9 mil. A renda média dos dos trabalhadores tem estado na casa de 2,6 mil reais há um ano, o menor nível desde 2012. Nos doze meses encerrados em julho, a inflação de alimentos foi de 14%. No mesmo mês, uma cesta básica custava em média 67% do salário mínimo na cidade de São Paulo, segundo o Dieese. Há quatro anos, custava 49%. Para 2023, o governo propôs mais uma vez um salário mínimo sem ganho real, de R$ 1,3 mil. Jair Bolsonaro será o primeiro presidente desde o Plano Real a entregar ao sucessor um piso com menor poder de compra. Bandeira reeleitoral dele, o Auxílio Brasil de R$ 600 voltará a R$ 400 em 2023, conforme a mesma proposta de orçamento recém enviada ao Congresso. Sobre esses assuntos, o repórter André Barrocal entrevista AO VIVO Luciano Coutinho, economista colaborador da Fiesp e ex-presidente do BNDES.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar