O projeto de poder do Partido Militar até 2035

Em entrevista ao repórter André Barrocal, historiador Manuel Domingos Neto comenta o plano ‘Brasil 2035’

Um grupo de generais e coronéis reunidos em três think tanks preparou um projeto para influenciar o Brasil e as políticas públicas ao menos até 2035, poder que as Forças Armadas acumulam de forma crescente desde a queda de Dilma Rousseff. O trabalho foi coordenado por um general da reserva, Luiz Eduardo Rocha Paiva, que comandou a ONG Ternuma (Terrorismo Nunca Mais), criada em 1998 por fardados defensores e nostálgicos da ditadura militar que vigorou de 1964 a 1985. O documento de agora, chamado de “projeto de nação”, advoga a ideia de que a população brasileira, em sua maioria, é conservadora. Aponta como ameaças um “globalismo” liderado por banqueiros e um “ativismo judicial político-partidário”. E defende, entre outras, cobrar mensalidades em universidades públicas e por atendimentos no SUS, no caso de famílias de renda superior a três salários mínimos. Sobre esses assuntos, o repórter André Barrocal entrevista Manuel Domingos Neto, historiador especialista em Forças Armadas.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar