Lula, Bolsonaro e a sucessão de Aras na PGR

No ‘Poder em Pauta’ da semana, André Barrocal entrevista Ubiratan Cazetta, presidente da Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR)

O mandato do atual procurador-geral da República, Augusto Aras, termina em 26 de setembro e cabe ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva indicar um substituto. Será uma das decisões mais importantes do ano, pelas implicações, por exemplo, para o futuro de investigações policiais sobre Jair Bolsonaro. Nos governos passados, Lula escolheu o chefe da PGR com base em uma lista tríplice eleita pelos próprios procuradores. Agora, não está disposto a repetir a prática, em razão de tudo o que foi feito pelos procuradores da finada força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba. O que não impediu a Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR) de realizar uma eleição interna e preparar uma lista. Quem será, afinal, o indicado por Lula? Qual é o sentimento no Ministério Público Federal após quatro anos de Aras, um escolhido de Bolsonaro? Sobre esses assuntos, o repórter André Barrocal entrevista AO VIVO Ubiratan Cazetta, presidente da ANPR.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.