Invasão russa chega a um impasse

Professor Reginaldo Nasser faz um balanço do primeiro mês do conflito na Ucrânia

Um mês após o início da invasão russa da Ucrânia, o conflito parece atingir um impasse: nenhum dos lados é capaz de alcançar avanços significativos no campo de batalha: Apesar de o exército russo continuar sua ofensiva contra a cidade de Mariupol, as forças ucranianas montam, em todas as frentes, uma resistência mais forte do que o esperado. Enquanto isso, nos Estados Unidos, o presidente Joe Biden satisfaz o complexo militar-industrial com mais envios de armas ao governo de Zelensky, o que pode estender o conflito.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar