Decisões judiciais acuam Bolsonaro na reta final

André Barrocal entrevista Cezar Brito, ex-presidente da OAB

Na reta final da campanha, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tomou decisões amargas para Jair Bolsonaro. Abriu uma investigação para examinar se a governista rádio Jovem Pan cometeu abuso de poder em favor do presidente. Instaurou outra que tem Carlos Bolsonaro no centro de um “ecossistema” de mentiras e desinformação nas redes sociais. Baixou uma resolução que obriga as plataformas digitais a cumprirem com rapidez decisões do TSE contra fake news. E vai julgar vários pedidos de direito de resposta de Lula na propaganda do capitão na TV e no rádio. O Supremo Tribunal Federal (STF) também contrariou planos bolsonaristas, ao liberar prefeitos para dar ônibus grátis no dia da eleição sem que eles corram risco de processo por crime eleitoral. A abstenção é maior entre os mais pobres, que são mais propensos a votar em Lula. Caso reeleito, o capitão planeja controlar o Supremo através, por exemplo, da ampliação do número de membros da corte. E, detalhe, agora ele tem Sérgio Moro como cabo eleitoral, ex-juiz que o Supremo considerou parcial nos processos de Lula na Operação Lava Jato. Sobre esses assuntos, o repórter André Barrocal entrevista AO VIVO Cezar Brito, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar