Brasil e Rússia: Um ganho, apesar de Bolsonaro?

André Barrocal entrevista o ex-chanceler Celso Amorim

Jair Bolsonaro reuniu-se na quarta-feira (16/02) com Vladimir Putin, em Moscou. Levou a viagem adiante apesar da crise na Ucrânia e das tensões entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a aliança militar entre Europa e Estados Unidos. O governo de Joe Biden fez pressão para que Bolsonaro não fosse ao Kremlin neste momento. Segundo o jornal The New York Times, o brasileiro desistiria se Biden tivesse telefonado ou o convidado para ir à Casa Branca. Qual o saldo dessa viagem para o Brasil e para Bolsonaro? Que desfecho se pode esperar da crise na Ucrânia? Qual o significado do recente aprofundamento das relações entre a China e a Rússia? E o futuro dos BRICs? Sobre esses assuntos, o repórter André Barrocal entrevista AO VIVO Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa.

Cacá Melo

Cacá Melo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar