Instituições financeiras ameaçam retirar investimentos do Brasil por conta do desmatamento

Nos primeiros quatro meses deste ano, uma área com o dobro do tamanho da cidade de Nova York foi destruída

Amazônia em chamas (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Amazônia em chamas (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Política,Sustentabilidade

Um grupo de aproximadamente 30 instituições financeiras em todo o mundo exigiu que o governo brasileiro freie o desmatamento na Amazônia sob risco de interromper investimentos no País. As informações foram publicadas pelo jornal britânico Financial Times, na terça-feira 23.

Segundo o veículo, os investidores direcionaram uma carta ao governo brasileiro sinalizando preocupação com o aumento das taxas de desmatamento no País sob o governo de Jair Bolsonaro.

“Considerando o aumento das taxas de desmatamento no Brasil, estamos preocupados com o fato de as empresas expostas a desmatamento potencial em suas operações e cadeias de suprimentos no Brasil enfrentarem uma dificuldade crescente de acessar os mercados internacionais. Também é provável que os títulos soberanos brasileiros sejam considerados de alto risco se o desmatamento continuar”, escreveram, conforme reproduziu o jornal.

“Como instituições financeiras, que têm o dever fiduciário de agir no melhor interesse de longo prazo de nossos beneficiários, reconhecemos o papel crucial que as florestas tropicais desempenham no combate às mudanças climáticas, protegendo a biodiversidade e assegurando serviços ecossistêmicos”, assinala o grupo, representado por 29 instituições financeiras que gerenciam mais de US$ 3,7 trilhões em ativos totais.

Ainda de acordo com a publicação, um gerente de portfólio de um grupo europeu de gerenciamento de ativos, que assinou o documento, disse não se tratar de apenas uma ameaça. “Consideraríamos desinvestir. Acreditamos que o Brasil pode enfrentar desafios econômicos estruturais se não ajustar seu curso de ação.”

A principal preocupação dos investidores gira em torno da indústria brasileira de frigoríficos que corre o risco de ser excluída dos mercados internacionais por causa de seu suposto papel no desmatamento. A JBS do Brasil tem sido repetidamente acusada por ambientalistas de comprar vacas de terras desmatadas na Amazônia.

Ainda de acordo com a publicação, os investidores destacam que, nos primeiros quatro meses deste ano, uma área com o dobro do tamanho da cidade de Nova York foi destruída. Madeireiros ilegais e garimpeiros aproveitaram a diminuição da fiscalização durante a pandemia de coronavírus para derrubar florestas. A terra é geralmente convertida em pasto para criar gado, continua o diário.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelou que, de janeiro a maio deste ano, o desmatamento na Amazônia alcançou 2.032 km². A taxa é a maior desde agosto de 2015, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) passou a medir a devastação da floresta. Há um aumento de 34% em comparação com a devastação no mesmo período no ano passado e 49% acima da média histórica, entre os anos de 2016 e 2019. A área devastada é 33% maior do que a cidade de São Paulo.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem