Governo tira sociedade civil de Fundo Nacional do Meio Ambiente

Fundo era composto por membros do governo e da sociedade civil, que foram excluídos do processo de escolha dos projetos financiados

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente da República, Jair Bolsonaro. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente da República, Jair Bolsonaro. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Sustentabilidade

Um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e publicado nesta quinta-feira 06 no Diário Oficial da União tira todos os membros da sociedade civil da participação no Fundo Nacional do Meio Ambiente, que passa a ser administrado apenas por membros do governo – um movimento contrário aos propósitos fundadores do Fundo.

De acordo com o novo modelo, o Fundo terá uma comissão administrativa composta por membros da Casa Civil e Ministérios do Meio-Ambiente e da Economia, além do ICMBio e do Ibama. Em contraponto ao declarado pelo Fundo Nacional do Meio Ambiente na lei anterior, perderam voz os seguintes postos:

“Um representante da Agência Nacional de Águas – ANA;

um representante da Associação Brasileira de Entidades do Meio Ambiente – ABEMA;

um representante da Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente – ANAMMA;

um representante do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento – FBOMS;

um representante da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC;

um representante de organização da sociedade civil, de âmbito nacional, indicada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA;

e cinco representantes de organizações não-governamentais ambientalistas, na proporção de um representante para cada região geográfica do País.”

De acordo com o que fiz a lei sobre o Fundo, ele tem natureza “contábil e financeira” para destinar recursos a projetos aprovados pelo conselho deliberativo. Para 2020, o Fundo possui cerca de R$ 33 milhões de reais disponíveis para o financiamento de iniciativas sustentáveis.

Na descrição original do projeto, que ainda constava no site do Ministério do Meio Ambiente nesta quinta-feira, “o FNMA é o mais antigo fundo ambiental da América Latina e é referência pelo processo transparente e democrático na seleção de projetos”.

O texto ainda destaca que a presença de representantes do governo e da sociedade civil “garante o controle social na execução de recursos públicos destinados a projetos socioambientais em todo o país”.

A descrição do Fundo Nacional do Meio Ambiente ainda não foi alterada, até esta quinta-feira 06, no site do Ministério do Meio Ambiente. Diretrizes presentes na fundação do Fundo já não são mais válidas. (Foto: Reprodução)

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem