Política

Com Bolsonaro, desmatamento aumenta e fiscalização cai na Amazônia

Em 15 dias, área equivalente a 7 mil campos de futebol foi desmatada

Cenas da Amazonia em chamas. Foto: ABr Cenas da Amazonia em chamas. Foto: ABr
Cenas da Amazonia em chamas. Foto: ABr Cenas da Amazonia em chamas. Foto: ABr
Apoie Siga-nos no

Em uma quinzena, o cenário da tragédia que toma conta da Amazônia dá as caras: de 1º a 15 de maio, foram desmatados 6.880 hectares de mata – uma média de 19 hectares por hora. Para mensurar, em menos de um mês, sumiram 7 mil campos de futebol.

Os números constam de reportagem do jornal O Estado de S. Paulo e coincidem com o sufocamento do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), órgãos de defesa e monitoramento constantemente criticados pelo governo Bolsonaro.

As multas, que nivelam o quanto a floresta tem sido observada, vêm caindo. As autuações por crime contra a flora aplicadas pelo Ibama despencaram de 1.290 para 850, observando-se os mesmos períodos de 2018 e 2019.

O presidente fala em uma “indústria da multa”, que afastaria investidores da floresta. Já o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, diz priorizar a política ambiental urbana, mas parece se esquecer de nomear cargos estratégicos para a proteção de um patrimônio natural da humanidade.

Vazio ambiental

Segundo o site do MMA, os secretários de Biodiversidade, Florestas e Desenvolvimento Sustentável ainda constam como ‘cargos vagos’. Da mesma maneira, as direções dos departamentos de Conservação e Manejo de Espécies, Conservação de Ecossistemas, Patrimônio Genético, Qualidade Ambiental e Gestão de Resíduos, Desenvolvimento Sustentável e Florestas também estão vazias.

E o problema não se limita à Amazônia. Segundo o Observatório do Clima, o ICMBio não realizou nenhuma operação de fiscalização no último mês, e um dos motivos seria o vazio das superintendências estaduais.

Dos 27 estados, incluindo o Distrito Federal, apenas Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo têm coordenação para operações estratégicas. Em 2018, os estados que mais desmataram a Amazônia foram Pará, Rondônia, Mato Grosso e Amazonas.

Giovanna Galvani

Giovanna Galvani É repórter do site de CartaCapital.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.