Sustentabilidade

Balsa de garimpo invade área protegida e mais preservada da Amazônia

Indígenas e comunidades locais da região do rio Juruá temem que a presença de garimpeiros impacte diretamente na alimentação e sobrevivência da população

Draga garimpeira sobre afluente do rio Juruá
Draga garimpeira sobre afluente do rio Juruá
Apoie Siga-nos no

Nesta semana, o Fórum do Território Médio Juruá encaminhou uma representação ao Ministério Público do Amazonas em que denuncia o trânsito e a permanência de uma draga de garimpo no Rio Juruá, área protegida que fica próxima aos municípios de Carauari e Juruá.

Segundo o documento, desde a quinta-feira 16 a balsa navega pelo Rio Andirá, afluente do Juruá, quando foi interceptada por indígenas do povo Katawxi e moradores da Reserva Extrativista Baixo Juruá. Eles alertaram que a área faz parte de uma unidade de proteção federal. Após notificação, a draga interrompeu viagem, mas relatos obtidos pelo site Amazônia Real informam que a embarcação mantém-se ancorada em Joanico, município de Juruá.

De acordo com o Fórum TMJ, embora existam processos de requerimentos de Lavra Garimpeira nos municípios de Juruá, Carauari e Itamarati em trânsito na Agência Nacional de Mineração, nenhuma das solicitações obteve a outorga para exploração mineral nas áreas citadas.

Segundo fonte ouvida pela Amazônia Real, a balsa garimpeira em questão teria recebido o aval do prefeito de Juruá, José Maria Rodrigues da Rocha Júnior (MDB), para subir o afluente Andirá. A prefeitura nega a acusação e acusa motivação política por parte de adversários.

A região do Alto Andirá, onde as dragas pretendiam chegar, é considerada Área de Preservação Permanente (APP). Diferente do baixo e médio Juruá, neste caso é proibida a prática de quaisquer atividades econômicas extrativistas e não há a possibilidade de legalização por parte da ANM.

A presença da atividade garimpeira na região do baixo Juruá coloca em risco três aldeias do povo Katawxi e uma dos Madujá-kulina, que ainda não dispõem de terras indígenas oficialmente demarcadas. Se permitida, a extração de minérios pode contaminar a água dos afluentes no Juruá e colocar em risco a alimentação das comunidades locais.

Caio César

Caio César
Estagiário de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.