Twitter lança ‘modo seguro’ para frear o discurso de ódio na Internet

A rede social afirmou ter consultado especialistas em segurança na Internet, saúde mental e direitos humanos para criar ferramenta

Créditos: Reprodução

Créditos: Reprodução

Mundo,Sociedade

O Twitter lançou um “modo seguro” para conter “interações perturbadoras” e tornar as conversas “mais saudáveis”, anunciou a rede social americana na quarta-feira 1º, sob grande pressão para proteger seus usuários contra o ódio na internet.

 

 

 

Este “modo de segurança” é um recurso que bloqueia temporariamente (sete dias) contas que usam “linguagem potencialmente prejudicial”, como insultos, comentários de ódio ou “menções repetitivas e não solicitadas”.

“Os autores de mensagens consideradas prejudiciais ou não solicitadas de acordo com nossa tecnologia serão bloqueados automaticamente, o que significa que temporariamente não poderão seguir sua conta, visualizar suas mensagens ou enviar mensagens diretas”, explicou o Twitter em um comunicado.

A rede social afirmou ter consultado especialistas em segurança na Internet, saúde mental e direitos humanos para criar esta ferramenta.

Esta nova funcionalidade havia sido usada anteriormente por um pequeno número de usuários, especialmente mulheres jornalistas e outros grupos de pessoas que frequentemente sofrem esse tipo de abuso.

Como outros gigantes da mídia social, o Twitter permite que os usuários sinalizem postagens que consideram odiosas, como postagens racistas, homofóbicas e sexistas. Mas muitos usuários reclamam há muito tempo sobre as falhas nas políticas da empresa, que permitem que comentários violentos ou discriminatórios permaneçam visíveis em muitos casos.

Na França, por exemplo, a plataforma foi denunciada por seis grupos antidiscriminação, sob a acusação de falhas “persistentes” no bloqueio de comentários de ódio. A Justiça francesa ordenou ao Twitter em julho que comunicasse, em dois meses, os documentos que explicam como combate o ódio na internet.

O anúncio no Twitter chega várias semanas depois que o Instagram (que pertence ao Facebook) revelou novas ferramentas para combater conteúdo abusivo e racista, após uma série de comentários racistas dirigidos contra os jogadores da seleção inglesa após a final da última Eurocopa, perdida pelos atletas ingleses, nos pênaltis contra a Itália.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem