‘Serial killer’ de Brasília foge há 7 dias de centenas de policiais; entenda o caso

Lázaro Barbosa, de 33 anos, é o principal suspeito de matar uma família no Distrito Federal

(Polícia Civil de Goiás/Reprodução)

(Polícia Civil de Goiás/Reprodução)

Sociedade

Lázaro Barbosa de Souza, 33 anos, é o principal suspeito de matar quatro pessoas de uma mesma família na noite da última quarta-feira 9, no Distrito Federal. Além da morte da família, o ‘serial killer de Brasília’, como ficou conhecido, já acumula diversos outros crimes e atos violentos ao passo em que foge há sete dias de uma equipe com mais de 200 policiais, que usam cães farejadores, drones e um helicóptero.

A última localização do suspeito — que chegou a quase ser capturado pelas forças de segurança, mas trocou tiros com os policiais e fugiu — é um matagal no povoado de Edilândia, na cidade de Cocalzinho, em Goiás. Um cerco de policiais segue à cata do criminoso.

Cronologia dos fatos

Quarta-feira 9

O marco inicial dos diversos crimes cometidos por Lázaro começa na quarta-feira 9, no Distrito Federal, com o assassinato do empresário Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, e dos filhos dele, Carlos Eduardo Marques Vidal, 15, e Gustavo Marques Vidal, 21. Neste dia o corpo da esposa do empresário ainda não tinha sido encontrado.

Quinta-feira 10

No dia seguinte aos assassinatos, Lázaro teria roubado outra chácara próxima de onde cometeu o primeiro crime, fazendo o caseiro e a filha de reféns. No mesmo dia, ele ainda invadiu uma residência e fez outros três reféns, obrigando dois deles a fumarem maconha.

Sexta-feira 11

Na sexta-feira 11, o ‘serial killer de Brasília’ cometeu mais um crime: novamente invadiu uma chácara e fez o caseiro de refém. Roubou também um veículo que usou para ir do DF até a cidade de Cocalzinho, em Goiás. Chegando lá, incendiou o veículo.

Sábado 12

Já no município de Cocalzinho, Lázaro Barbosa de Souza invadiu mais uma chácara e fez o caseiro refém. Depois, em outra propriedade, baleou três homens. Ainda no sábado, tentou atear fogo em outra casa.

No sábado, a Polícia Militar goiana chegou perto de capturá-lo, mas, segundo informações da imprensa local, após disparar 15 tiros em direção aos agentes, o ‘serial killer’ conseguiu fugir.

Neste mesmo dia, a esposa do empresário Cláudio Vidal, Cleonice Marques, de 43 anos, foi encontrada morta no Distrito Federal. Segundo informações do portal brasiliense Metrópoles, ela teve a orelha arrancada e foi executada com um tiro na nuca.

Cleonice Marques, a terceira vítima do ‘serial killer’ do Distrito Federal (Foto: Reprodução)

Domingo 13

Desde então, Lázaro tem sido perseguido pelas forças de segurança do DF e de Goiás, em uma equipe que reúne mais de 200 policiais civis, militares, rodoviários e de grupos táticos especiais de segurança. A coalizão também usa cães farejadores, drones e um helicóptero.

Segunda-feira 14

Ainda em Cocalzinho, na noite de segunda-feira 14, Lázaro tentou pedir comida em mais uma fazenda da região, mas acabou se envolvendo em uma troca de tiros com o caseiro da propriedade. Logo após a troca de tiros entrou novamente no matagal, onde até a tarde desta terça-feira 15 não foi encontrado.

Terça-feira 15

Na manhã desta terça, Lázaro foi avistado por testemunhas na região da fazenda onde trocou tiros com o caseiro na noite anterior. Um caminhoneiro teria visto um homem com as mesmas características do suspeito correndo por uma estrada próxima ao local.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem