São Paulo Fashion Week adota cota racial obrigatória para desfiles

Grifes deverão ter um mínimo de 50% de modelos negros, afrodescendentes e/ou indígenas

Logo da Sao Paulo Fashion Week (Foto: Renata Chebel/ O Boticário SPFW/Wikimedia Commons)

Logo da Sao Paulo Fashion Week (Foto: Renata Chebel/ O Boticário SPFW/Wikimedia Commons)

Sociedade

A São Paulo Fashion Week (SPFW), principal evento de moda do País, anunciou nesta sexta-feira 30 que todas as grifes que participar dos dias de desfile deverão adotar equidade racial em seu corpo de modelos: 50% brancos, 50% negros e/ou indígenas.

 

 

A mudança já é válida para a próxima edição da SPFW, que começa no dia 4 de novembro e se estende até o dia 8.

“É obrigatório que a grife mantenha mínimo de 50% de modelos entre negros, afrodescendentes e/ou indígenas, do total dos modelos participantes em seu desfile”, diz a nota.

Antes, não havia obrigatoriedade, apenas uma recomendação de que as marcas buscassem diversificar as modelos.

Agora, todos os profissionais que forem afrodescendentes deverão ser identificados na lista de casting, que nomeia a equipe de determinada marca.

“Serão considerados modelos afrodescendentes aqueles com ascendente por consanguinidade até o 2º grau. Os nomes destes modelos devem ser destacados na lista de casting”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem