Sociedade

Saiba como usar o aplicativo do governo para bloquear celular roubado

Ferramenta deverá ser lançada oficialmente nesta terça-feira 19

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo federal deve lançar, nesta terça-feira 19, uma plataforma que irá permitir o bloqueio imediato de aparelhos celulares roubados

A ideia é permitir que o usuário, em caso de celulares furtados ou roubados, possa bloquear, simultaneamente, aplicativos de banco e o próprio chip do aparelho.

O aplicativo receberá o nome de Celular Seguro. O usuário poderá acessá-lo através do computador ou do celular de uma pessoa de confiança para que possa agilizar o bloqueio do aparelho desaparecido. Ele não exclui, entretanto, a necessidade de se prestar Boletim de Ocorrência (BO).

A partir de um único botão de emergência, a ferramenta irá bloquear todas as funções principais do aparelho, tornando o celular desaparecido, na prática, um “pedaço inútil de metal”, como se referiu o Secretário Executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli.

O passo a passo do aplicativo

Assim que for furtado ou roubado, o usuário deverá acessar o Celular Seguro através do computador ou do celular de alguém próximo. Na versão app, o mecanismo estará disponível no Google Play ou na App Store

Para utilizá-lo, é preciso estar cadastrado na plataforma Gov.br. Com o número de usuário e a senha da plataforma do governo, a pessoa fará o login no Celular Seguro. 

Feito o login, o usuário irá registrar o número do celular roubado. Também será possível registrar uma pessoa de confiança para fazer o bloqueio. As duas opções devem aparecer na tela principal do aplicativo.

Em caso de furto ou roubo, a pessoa deverá acionar a opção “Registrar Ocorrência”. Assim, o aplicativo irá acionar a Anatel e os bancos cadastrados, para que façam o bloqueio.

Segundo informações do portal G1, a associação de operadoras de telefonia trabalha com um prazo de até seis horas para que o pedido de bloqueio seja encaminhado às operadoras. Já a maior parte dos bancos parceiros do programa deverão fazer o bloqueio imediato. Outras instituições mencionam um prazo de até meia hora para o cumprimento da medida.

A partir do lançamento, será possível saber se os aparelhos, de fato, ficarão totalmente inutilizados. Para tornar o celular um “pedaço inútil de metal”, como mencionou Cappelli, será preciso bloquear o sistema. Para isso, os principais desenvolvedores – Google e Apple – devem constar como parceiros do programa, o que ainda não foi confirmado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo