…

Romário: Mano Menezes não serve para a seleção

Sociedade

Não foi só o torcedor brasileiro que assistiu incrédulo à derrota da seleção olímpica para o México neste sábado 11. O tetracampeão Romário, comentarista da TV Record durante os Jogos, não poupou em nenhum instante o desempenho da equipe de Mano Menezes. Mas nenhum jogador em campo mereceu tanta pancada do Baixinho quanto o treinador.

 

Para o ex-atacante, também medalha de prata nas Olimpíadas de 1988, Mano Menezes errou nas substituições do Brasil ao colocar Hulk, Alexandro Pato e Lucas quando a equipe estava em desvantagem. “O treinador é fraco: não sabe mexer, não sabe convocar. Ainda bem que a gente está vendo a última atuação dele na seleção brasileira (…) Espero que ele (Mano) nunca mais vista a camisa da seleção. Já venho falando desde o Pan”, afirmou.

O ex-jogador disse durante a transmissão que o técnico Ney Franco, ex-comandante das equipes de base da seleção até se transferir para o São Paulo, deveria estar à frente da equipe em Londres. Para ele, Franco conhecia melhor os jogadores – enquanto Mano Menezes só serviria para treinar equipes de São Paulo, como o Corinthians. Já sobre Mano, o Baixinho disparou: “Quem é ruim se destrói sozinho.”

A equipe de Mano Menezes chegou à final das Olimpíadas após vencer todos os jogos (Egito, Bielorússia, Nova Zelândia, Honduras e Coréia do Sul). O time até então havia marcado três gols em todos as partidas. Na grande final, a inédita medalha olímpica ficou nas mãos do México – que marcou um gol com menos de um minuto e manteve o controle da partida.

O treinador apostou em Alex Sandro que, apático, foi substituído antes do fim primeiro tempo. Hulk, apesar de ter marcado um gol no fim, também não correspondeu – errou passes, chutes e cruzamentos. O time só se acertou em campo quando Lucas entrou. Mesmo assim, tarde demais: 2 a 1 para o México. E show de bola de Peralta, autor de dois gols da equipe mexicana – para desespero da torcida brasileira e do ex-craque Romário.

  

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem
…

Romário: Mano Menezes não serve para a seleção

Sociedade

Não foi só o torcedor brasileiro que assistiu incrédulo à derrota da seleção olímpica para o México neste sábado 11. O tetracampeão Romário, comentarista da TV Record durante os Jogos, não poupou em nenhum instante o desempenho da equipe de Mano Menezes. Mas nenhum jogador em campo mereceu tanta pancada do Baixinho quanto o treinador.

 

Para o ex-atacante, também medalha de prata nas Olimpíadas de 1988, Mano Menezes errou nas substituições do Brasil ao colocar Hulk, Alexandro Pato e Lucas quando a equipe estava em desvantagem. “O treinador é fraco: não sabe mexer, não sabe convocar. Ainda bem que a gente está vendo a última atuação dele na seleção brasileira (…) Espero que ele (Mano) nunca mais vista a camisa da seleção. Já venho falando desde o Pan”, afirmou.

O ex-jogador disse durante a transmissão que o técnico Ney Franco, ex-comandante das equipes de base da seleção até se transferir para o São Paulo, deveria estar à frente da equipe em Londres. Para ele, Franco conhecia melhor os jogadores – enquanto Mano Menezes só serviria para treinar equipes de São Paulo, como o Corinthians. Já sobre Mano, o Baixinho disparou: “Quem é ruim se destrói sozinho.”

A equipe de Mano Menezes chegou à final das Olimpíadas após vencer todos os jogos (Egito, Bielorússia, Nova Zelândia, Honduras e Coréia do Sul). O time até então havia marcado três gols em todos as partidas. Na grande final, a inédita medalha olímpica ficou nas mãos do México – que marcou um gol com menos de um minuto e manteve o controle da partida.

O treinador apostou em Alex Sandro que, apático, foi substituído antes do fim primeiro tempo. Hulk, apesar de ter marcado um gol no fim, também não correspondeu – errou passes, chutes e cruzamentos. O time só se acertou em campo quando Lucas entrou. Mesmo assim, tarde demais: 2 a 1 para o México. E show de bola de Peralta, autor de dois gols da equipe mexicana – para desespero da torcida brasileira e do ex-craque Romário.

  

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem