Robinho é condenado em segunda instância, na Itália, por estupro

Jogador deve recorrer da sentença e caso pode chegar à terceira instância

O jogador de futebol Robinho. Foto: Ivan Storti/Santos FC

O jogador de futebol Robinho. Foto: Ivan Storti/Santos FC

Sociedade

O jogador Robinho foi condenado em segunda instância, nesta quinta-feira 10, pelo Tribunal de Apelo de Milão, na Itália, no caso de estupro coletivo pelo qual foi acusado em 2013, quando jogava pelo Milan. A decisão confirma a decisão da primeira instância, que o condenou a nove anos de prisão.

 

 

 

Com o resultado, o atleta fica mais perto de ser considerado oficialmente culpado. No entanto, Robinho continuará em liberdade, uma vez que pode recorrer da decisão levando o caso à terceira instância na Justiça italiana, a Corte de Cassação, equivalente ao Supremo Tribunal Federal (STF) no Brasil. Só haverá aplicação de pena definitiva após condenação nesse grau.

Robinho não compareceu à audiência, que teve início ao meio-dia pelo horário local (8h em Brasília). De acordo com a legislação italiana, a presença do jogador não era obrigatória.

As investigações apontam que o atleta e cinco amigos estupraram uma jovem albanesa em um camarim da boate milanesa Sio Café, onde ela comemorava um aniversário. O episódio aconteceu em 22 de janeiro de 2013. Robinho afirma que manteve relação consensual com a jovem.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem