Rio: Porta-voz da PM diz que ação que resultou na morte de jovens negros foi ‘extremamente errada’

Edson Arguinez Junior, de 20 anos, e Jordan Luiz Natividade, de 18, foram encontrados mortos após abordagem policial em Belford Roxo

Os corpos de Edson à esquerda e Jordan serão enterrados nesta segunda 14. Créditos: Reprodução/Record TV Rio

Os corpos de Edson à esquerda e Jordan serão enterrados nesta segunda 14. Créditos: Reprodução/Record TV Rio

Sociedade

O porta voz da Polícia Militar, major Ivan Blaz, admitiu, nesta segunda-feira 14, que a abordagem da corporação em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, que levou à morte dois jovens negros foi “extremamente errada”.

 

 

 

No sábado 12, os jovens Edson Arguinez Junior, de 20 anos, e Jordan Luiz Natividade, de 18 anos, foram surpreendidos em uma abordagem policial na região quando passavam de moto. Câmeras de segurança da rua flagraram o momento em que um dos policiais atira contra os garotos, que caem do veículo.

As imagens mostram os jovens detidos e em conversa com os policiais que chegam a desferir chutes e pancadas com o cano do armamento. Jordan Luiz Natividade, de 17 anos, chegou a ser algemado. Com um ferimento na cabeça, Edson Arguinez Júnior, 20, aparece nas imagens registradas na rua Margem Esquerda, na Vila Medeiros, em Belford Roxo (RJ) com a camisa no local, para estancar o sangramento.

Por volta de 1h15 da madrugada do sábado, os jovens são conduzidos à viatura que apoiava a operação. Um dos policiais entra no carro e o outro segue guiando a moto que estava em poder dos jovens. Os corpos de Edson e Jordan foram entrados na tarde do sábado a menos de três quilômetros do local da abordagem, com sinais de tortura. Um deles estava nu. Os jovens serão enterrados nesta segunda-feira.

 

 

O cabo Júlio Cesar Ferreira dos Santos e o soldado Jorge Luiz Custódio da Costa foram presos por suspeita de autoria do crime de homicídio qualificado, após terem sido identificados no vídeo.

Em depoimento, os policiais disseram que o piloto da moto perdeu o controle e eles caíram, e que não houve nenhum disparo. Ainda afirmaram, durante depoimento, que depois resolveram liberá-los porque concluíram que nem os jovens e nem a motocicleta tinham problemas.

Ainda de acordo com o porta-voz da Polícia Militar a área é considerada perigosa pelo 39º BPM (Belford Roxo) mas, ainda assim, a ação dos policiais foi errada.

“Quem tem um mínimo de conhecimento sabe que as abordagens nem sempre são perfeitas. É um momento tenso. Porém, a conduta na condução dessa ocorrência foi completamente errada. Não houve qualquer forma de comunicação para os seus superiores. E mesmo assim, mesmo se tivesse havido, por tudo aquilo que nós vimos, não era possível que essa ocorrência fosse ignorada”, avaliou.

“As informações relativas a este momento em que eles entram na viatura e o momento em que eles aparecem mortos, isso é o foco da investigação da delegacia de Homicídios”, acrescentou.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem