Sociedade

Prefeita de Votorantim denuncia presidente da Câmara por estupro

Fabíola Alves (PSDB) relata que Thiago Schiming, da mesma sigla, tentou beijá-la à força em seu gabinete

Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Votorantim
Apoie Siga-nos no

A prefeita de Votorantim, Fabíola Alves (PSDB) denunciou nesta quinta-feira 7, o presidente da Câmara dos Vereadores, Thiago Schiming (PSDB), por estupro, após ele tentar beijá-la a força em seu gabinete. 

O caso foi revelado nesta sexta-feira 8 pelo G1 e TV TEM. À reportagem, Fabíola conta que, no dia 12 de junho, Thiago esteve no gabinete dela acompanhado de outros dois vereadores, Cirineu Barbosa (PMN) e Cesar Silva (Cidadania), para parabenizá-la por seu aniversário. 

Após as felicitações, os três saíram da sala, mas Thiago retornou sozinho e encostou a porta do gabinete. Neste momento, segundo a prefeita, o presidente do Legislativo tentou beijá-la três vezes à força, segurando seu queixo e empurrando o corpo contra o dela.

“Depois da terceira tentativa, ele começou a pegar no meu queixo, encostar o corpo e forçar para me beijar realmente. Eu consegui soltar e apertar um botão da minha porta. Ele soltou, falou ‘calma’ e saiu bem nervoso”, relata a prefeita.

Logo após o ocorrido, o parlamentar enviou uma mensagem de WhatsApp com uma foto que eles haviam tirado juntos e pedindo perdão pelo ocorrido. Schiming conta que bloqueou o parlamentar no celular e nas redes sociais.

“É muito difícil trabalhar assim. Eu estou com um monte de projeto parado na Câmara e eu não consigo ter diálogo. Tem evento que eu não posso participar porque… Como que eu vou ficar do lado de uma pessoa que aconteceu uma coisa dessa? Fica difícil o trabalho nesse sentido. Não é fácil externar isso”, continua.

Schiming explica que não denunciou o caso naquele momento, pois estava respondendo a um inquérito na Câmara. Ela foi investigada por uma Comissão Especial de Inquérito por supostas irregularidades no aumento do próprio salário e no salário dos secretários municipais. Em 10 de outubro, ela conseguiu uma liminar para suspender a sessão que poderia suspender seu mandato.

À reportagem, Thiago Schiming negou as acusações e disse que nunca fez investidas contra a prefeita.

“Vejo isso como um grande absurdo, essa denúncia. Sem cabimento nenhum. Eu e a prefeita sempre tivemos amizade. A prefeita é uma amiga de infância, é madrinha de meu casamento. A gente teve sempre uma amizade muito próxima”, diz.

A investigação do caso corre em segue em segredo pela DDM de Votorantim. O prazo é de 30 dias para conclusão do inquérito, que pode ser prorrogado. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo