Preço dos alimentos sobe com a crise do coronavírus, revela IBGE

O custo da alimentação em domicílio teve a maior alta desde dezembro de 2019

Preço dos alimentos sobe com a crise do coronavírus, revela IBGE

Sociedade

O preço dos alimentos disparou em março deste ano, período que foi atingido pela crise do coronavírus. O país fechou o mês com de alta de 1,13%, contra 0,11% registrados em fevereiro, informou nesta quinta-feira 9 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

A alta foi devido ao aumento de preços de itens como ovo de galinha (4,67%), a batata-inglesa (8,16%), o tomate (15,74%), a cebola (20,31%) e a cenoura (20,39%). O custo da alimentação em domicílio teve a maior alta desde dezembro de 2019, quando o preço da carne bovina disparou.

 

Também tiveram inflação os grupos educação (0,59%), vestuário (0,21%), saúde e cuidados pessoais (0,23%), habitação (0,13%) e comunicação (0,04%).

Por outro lado, os transportes tiveram deflação (queda de preços) de 0,90% e ajudaram a frear a inflação. O comportamento do grupo foi influenciado pela queda de preços de itens como passagens aéreas (-16,75%), etanol (-2,82%), óleo diesel (-2,55%), gasolina (-1,75%) e gás veicular (-0,78%).

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,07% em março deste ano. Este é o menor resultado para um mês de março desde o início do Plano Real, em 1994. A taxa também ficou abaixo da registrada em fevereiro deste ano (0,25%).

Com informações da Agência Brasil.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem