Sociedade

Policial é preso em flagrante após menina de 5 anos ser morta por tiro

Menina brincava em frente de casa na comunidade Monan Pequeno, em Niterói; ‘Você fez besteira’, teria dito um colega após o disparo

Ana Clara Machado, de 5 anos, assassinada em frente de casa em Niterói, Rio de Janeiro. (Foto: Reprodução)
Apoie Siga-nos no

Uma criança de 5 anos foi baleada na tarde de terça-feira 2 enquanto brincava em frente de casa, localizada na comunidade Monan Pequeno, em Niterói. A vítima foi identificada como Ana Clara Machado. Ela chegou a ser socorrida e levada para um hospital, mas não resistiu.

A principal suspeita é que o tiro tenha sido disparado por um policial militar que participava de uma perseguição na comunidade.

Em nota, a Polícia Civil do Rio afirma que devido a “comprovação de contradições nas declarações dos policiais militares” em relação aos fatos narrados por outras testemunhas e pela perícia realizada no local, o policial que efetuou os disparos foi preso em flagrante. O agente será encaminhado ao Batalhão Especial Prisional (Bepe).

Segundo a mãe da criança, Cristiane Gomes da Silva, dois agentes entraram na rua disparando. Quando o tiro atingiu Ana Clara e os moradores começaram a pedir socorro, um dos policiais teria falado para o outro que ele “fez besteira”.

“Eu corri para ver minha filha que estava no chão. Ele foi falar com o menino e um policial falou para o outro ‘você fez besteira, você fez besteira'”, contou Cristiane em entrevista ao portal G1.

A Polícia Militar do Rio de Janeiro informou que uma equipe fazia um patrulhamento na região até ser “surpreendida por cinco suspeitos” armados. Na perseguição, Ana Clara foi atingida.

No entanto, a versão contrasta com a versão de Cristiane. A mãe afirma que os PMs dispararam e abordaram dois meninos que mexiam no celular, e que depois gritaram que eram moradores da comunidade.

Os policiais levaram a criança e a mãe em direção ao hospital. “Eu fiquei gritando ‘salva minha filha’ e ele não pegava minha filha. Ele pegou minha filha de qualquer jeito, botamos dentro da viatura. Eu falei para eles: ‘vocês mataram a minha filha, acabaram com a minha vida'”, declarou.

Um inquérito para apurar o assassinato foi aberto na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG). Além disso, informa a corporação, as armas dos policiais militares que participaram da ação foram apreendidas para confronto balístico. Outros agentes realizam buscas no local do crime para identificar a origem do disparo.

De acordo com a plataforma Fogo Cruzado, que monitora tiroteios no Rio de Janeiro, Ana foi a quarta criança baleada este ano. Duas morreram. A outra vítima é Alice Pamplona da Silva de Souza, de 5 anos, que foi baleada na noite de ano novo enquanto observava os fogos com a mãe.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo