PM joga bombas de gás contra indígenas que protestam em frente à Funai

Manifestantes tentavam reunião com Marcelo Xavier, presidente da fundação

(Foto: Mídia Ninja/Reprodução APIB)

(Foto: Mídia Ninja/Reprodução APIB)

Política,Sociedade

Grupos indígenas que protestavam em frente ao prédio da Funai em Brasília, nesta quarta-feira 16, foram atacados com bombas de efeito moral e gás de pimenta vindos da Polícia Militar do Distrito Federal.

Vídeos publicados nas redes mostram cenas de correria e dispersão dos grupos, que chegaram à Brasília a fim de pressionar a derrubada de projetos de lei que ameaçam mudar regras relativas à demarcação de terras indígenas. As reinvindicações também exigem a expulsão de garimpeiros e invasores de territórios indígenas. O movimento foi nomeado de Levante pela Terra.

“Bomba aqui em frente à Funai. Olha como Funai recebe os indígenas”, exclama Sônia Guajajara, presidente da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, a Apib.

A PM-DF confirmou a CartaCapital que as bombas partiram dos agentes da corporação. “Às 15h15min, cerca de 150 indígenas deslocaram a pé até a FUNAI. O trajeto ocorreu de forma pacífica, no entanto, após chegarem em frente ao Brasil 21, os índios partiram em confronto contra a linha de contenção, inclusive, atirando flechas contra os policiais, sendo necessário o uso de gás para retomada do terreno”, diz a nota enviada à reportagem.

As lideranças tentavam uma reunião com o presidente da Funai, Marcelo Xavier. No fim da tarde, correu a informação de que Xavier conversaria com cinco lideranças femininas. A pauta unificada dos diferentes povos presentes é que Xavier deixe o cargo.

“Nós deixamos nossos filhos, viajamos três dias para falar com o presidente da Funai, e nos recebem com bomba, com gás de pimenta. E nós não somos protegidos nem com o direito de viver no território”, lamentou Alessandra Korap Munduruku em frente à Funai. “A gente não tem direito de viver no território, mas ele tem o direito de expulsar a gente?”

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem