Sociedade

Petroleiros declaram apoio a greve prometida pelos caminhoneiros

A mobilização está prevista para acontecer a partir de 1º de fevereiro, motivada pelo aumento no combustível

Petroleiros acusam governo do presidente Jair Bolsonaro de desmantelar o Sistema Petrobras. Foto: FUP
Petroleiros acusam governo do presidente Jair Bolsonaro de desmantelar o Sistema Petrobras. Foto: FUP

A Federação Única dos Petroleiros, representação de sindicatos da categoria, anunciou apoio à greve dos caminhoneiros programada para a próxima segunda-feira, dia 1º de fevereiro.

A paralisação de profissionais do setor tem como principal motivação o aumento no valor dos combustíveis. A partir desta quarta-feira 27, conforme anunciado pela Petrobras, haverá elevação de 5% no preço da gasolina, chegando a 2,08 reais por litro, e de 4,4% para o diesel, o que soma 2,12 reais por litro.

Os novos valores dizem respeito à venda das refinarias às distribuidoras e não equivalem ao preço pago pelo consumidor final.

“O apoio dos petroleiros terá ações localizadas em todo o País, unindo o protesto com solidariedade pelo momento difícil em que o Brasil se encontra, com altas taxas de desemprego e perda de renda”, diz a entidade em nota divulgada na terça-feira 26.

“A pauta dos caminhoneiros contém dez itens, mas a principal reivindicação, e que tem total apoio dos petroleiros, é a alta no valor dos combustíveis, considerada abusiva”, complementam. “Com data para começar e sem data para terminar, a expectativa é que a greve possa superar à de 2018 em decorrência da maior conscientização da categoria e da população sobre as pautas envolvidas e os efeitos para toda sociedade”.

Para o primeiro dia da greve, algumas refinarias marcaram atos simbólicos, como a distribuição de cestas básicas e botijões de gás gratuitos a pessoas em situação de vulnerabilidade.

Ainda não se sabe ao certo qual é o apoio de setores organizados dos caminhoneiros à paralisação. Em entrevista a CartaCapital, o presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores, Wallace Landim, afirmou que o aumento nos preços dos combustíveis eleva a temperatura nos ânimos para uma adesão ao movimento.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!