Papa pede fim do “culto ao dinheiro” no mundo

Sociedade

Em seu primeiro grande discurso a respeito da crise econômica mundial, o papa Francisco fez nesta quinta-feira 16 um duro ataque ao que chamou de “culto ao dinheiro” e condenou a “tirania” da economia de livre mercado no mundo. Foi a retomada, por parte de Jorge Mario Bergoglio, de um tipo de discurso social que costumava fazer quando era bispo de Buenos Aires.

Segundo Francisco, o dinheiro “tem de servir, não de mandar”. “A maior parte dos homens e das mulheres do nosso tempo continuam a viver em uma precariedade cotidiana com consequências funestas”, afirmou o papa.

Segundo ele, isso tem feito com que “as doenças aumentem e, com elas, as consequências psicológicas, o medo e o desespero”, além da “indecência e da violência”.

Enquanto isso, afirmou o papa, há uma “tirania invisível, às vezes virtual” do livre mercado, que tornou o ser humano um “bem de consumo que se pode usar e jogar fora”. Francisco lembrou o aumento da desigualdade social e afirmou que enquanto a renda de uma minoria “cresce exponencialmente”, a da maioria da população mundial “se enfraquece”.

Francisco criticou ainda a “corrupção tentacular de dimensão mundial” e a “evasão fiscal egoísta” que se verifica no mundo. Por fim, o papa pediu ainda aos líderes mundiais que acabem com o “culto do dinheiro” e realizem urgentemente “reformas financeiras éticas”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem