Sociedade

“O jornalismo fez uma escolha conservadora”

Colunista que pediu demissão do “Zero Hora” lança livro no qual discute a atuação da imprensa. “Há uma crise profunda na política, e a mídia é parte disso”, diz

Depois de 27 anos de trabalho na redação, em abril de 2016 o jornalista Moisés Mendes pediu demissão de Zero Hora – o mais importante jornal do grupo RBS, afiliado da Rede Globo no Rio Grande do Sul. O estopim para a saída foi a redução da periodicidade da coluna de opinião que Mendes assinava: de quatro para três dias da semana.

O colunista também perdeu o espaço nobre do domingo, porque Zero Hora deixou de circular nesse dia com a criação da chamada “superedição” de fim de semana, distribuída aos sábados.

O jornalista diz não se surpreender com o corte no espaço que ocupava, porque acredita que o “alçapão” para preparar a sua saída já estava sendo armado. “É como um casamento ou uma relação de amizade: tem uma hora em que você estabelece um limite. Eu estabeleci um limite em relação à RBS e fui embora, até porque eles iriam me pegar mais adiante”, avalia.

Moisés Mendes e outro colunista do jornal haviam criado, embora involuntariamente, uma espécie de “Gre-nal” de opinião, “ele à direita e eu à esquerda, que é uma posição que sempre tive”, explica.

Mas os tempos andam áridos para o exercício da pluralidade na imprensa brasileira: “Na Zero Hora e em todos os grandes jornais brasileiros, a opção pelo ultraconservadorismo é uma coisa impressionante”, diz. Para Mendes, o debate sobre o oportuno conceito de pós-verdade, um dos termos-chave de 2016, não pode eximir a imprensa. “A internet mente como as pessoas sempre fizeram no mundo, mas a imprensa institucionalizada não pode mentir.”

Aos 62 anos, o jornalista – que começou a trabalhar em redações do interior gaúcho aos 17 – publica uma coluna no jornal Extra Classe, do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul, e mantém um blog “porque escrever é uma cachaça e não é possível parar”.

Também é convidado frequente em debates sobre jornalismo e política (“depois que saí da Zero Hora, virei o ‘Homem Elefante’: ninguém queria o meu trabalho, mas queriam me ver e me ouvir”, brinca). No final do ano, lançou uma reunião de crônicas no livro Todos querem ser Mujica (Editora Diadorim, 160p., R$ 39,90). Sobre o livro e os rumos da imprensa e do País, Moisés Mendes concedeu em Porto Alegre a seguinte entrevista: 

CartaCapital: A imprensa brasileira vive o seu pior momento?

Moisés Mendes – Na Zero Hora e em todos os grandes jornais brasileiros, a opção pelo ultraconservadorismo é uma coisa impressionante. Um dia escrevi que, na época da ditadura, os patrões mandavam os jornalistas escreverem a favor do golpe; agora há jornalistas dizendo aos patrões para serem mais golpistas do que já são.

A gente pega a capa d’O Globo, por exemplo, vê as chamadas para quatro colunistas ou formadores de opinião do jornal e os quatro são conservadores, para não dizer reacionários. Na Folha, escapa o Janio de Freitas. É uma coisa meio assustadora.

O jornalismo fez uma escolha conservadora para preservar o público que o sustenta e que mantém os jornais vivos, e esse público é conservador. Há uma crise profunda no ambiente político, e a mídia é parte disso ao fazer a opção pelo golpe.

CartaCapital: Num dos textos do livro, você diz que “um jornal tem a missão de ser incisivo na defesa da liberdade”. Hoje, os jornais são incisivos na defesa do golpe, do ajuste fiscal, das tais medidas de austeridade…

MM: O discurso conservador prevalece na economia, na política etc. Não houve nenhum editorial dos grandes jornais dizendo categoricamente que o Eduardo Cunha não podia comandar o processo de impeachment. Deixaram que ele fizesse isso, porque era o serviço a ser prestado. As grandes missões do jornalismo estão todas abaladas no Brasil: a liberdade, a pluralidade, a defesa dos direitos, os princípios liberais. Onde estão os liberais brasileiros?

Há uma crise da alma dos jornais. Antigamente, as empresas eram comandadas por jornalistas – conservadores, mas jornalistas, como Breno Caldas no velho Correio do Povo (de Porto Alegre), ou os Mesquita no Estadão, que acabaram se voltando contra a ditadura. Hoje a coisa desandou. Dizem que as montadoras perderam a mão no seu negócio quando os seus executivos já não entendiam mais de carro e passaram a prevalecer os designers. Nos jornais aconteceu a mesma coisa. 

CC: Você vê possibilidades de renovação com iniciativas como as novas agências independentes, que ainda enfrentam grandes desafios para se financiar?

MM: Sou um otimista com o jornalismo que virá mais adiante. Acho que o potencial da internet ainda não foi aproveitado, principalmente pelas novas gerações. Estive na ocupação da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e, numa conversa muito boa com um grupo de professores e a gurizada, uma das conclusões a que chegamos é que os jornalistas em formação ainda não estão produzindo o que poderiam produzir.

Hoje não é preciso pedir licença para ninguém, não existe o custo de impressão e distribuição, não tem patrão. Mas eles ainda não estão fazendo o que poderiam. Mesmo na mídia alternativa, os chamados “blogs sujos” ficam devendo mais informação. Palpite qualquer um dá, eu mesmo dou no meu blog, mas poucos produzem informação. E como eles vão sobreviver agora, sem o dinheiro do governo?

CC: Os jovens jornalistas que chegam às redações já estão mais “adestrados” para o discurso do conservadorismo ou lutam para fazer uma contraposição ideológica?

Mendes – Sou da geração que, durante a ditadura, construiu nas redações a utopia de que o jornalismo tinha que lutar pela democracia. Eu era um jornalista militante com ficha em partido (o então MDB) porque achava isso importante. Pergunte agora aos jovens o que eles pensam da sua missão no jornalismo: escrever bem, fazer o trabalho bem feito – mas sem utopia nenhuma.

Eles querem estudar no exterior. Na Zero Hora, muitos já foram e outros estão com as malas prontas. Não há mais aquela ideia de fazer carreira na redação. Antes as pessoas diziam com orgulho: “quero ser editor da Zero Hora”. Agora já não dizem isso, querem é ir embora. É um pessoal que está na redação fazendo uma passagem, porque sabe que o jornalismo não tem mais a função que já teve.

CC: A própria perspectiva que as empresas oferecem também não é a mesma.

Mendes – Claro! Eu trabalhei em vários jornais do interior que sempre estavam a perigo, mas a gente sabia que podia ir para outro lugar que nos seguraria. Hoje a gurizada vê as redações encolhendo, olha para o lado sem enxergar alternativa e pensa: para onde eu vou? Mas acho que eles farão alguma coisa que nós não fizemos. Logo à frente eles vão inventar um jornalismo “de garagem” que vai ser o Uber do jornalismo. 

CC: Alguns dos textos do livro citam casos de violência que remetem à cultura do ódio e da intolerância que temos vivido no país. Você acha que a imprensa tem um papel nisso?

MM: Tem. Há colunistas que contribuem para esse discurso, alguns de forma dissimulada e outros nem tanto. Não é preciso apoiar abertamente o Bolsonaro, por exemplo, mas há uma proteção a esse tipo de pensamento. Você pode escrever uma história sobre uma professora da sua infância e usar o texto para esculhambar as feministas, falar mal de uma deputada etc. Essa é uma face que o jornalismo revela agora que não revelou na ditadura.

O jornalismo golpista de direita e pró-milicos não explicitava esse tipo de ponto de vista reacionário que temos hoje na área dos costumes, como a desqualificação da mulher e do negro, ou o fato de cair de pau nos pobres em relação ao Bolsa-Família – embora o dinheiro público possa socorrer os empresários por décadas.

O medo das políticas afirmativas que levam o cidadão a prosperar, o medo de viajar de avião ao lado do negro ou de haver negros na universidade – tudo isso está no subterrâneo do discurso da própria imprensa. O jornalismo contribuiu para a questão da intolerância e do ódio de uma forma que eu nunca tinha visto. 

CC: Um dos termos do ano que passou é a pós-verdade. Você acha que a cobertura em torno do impeachment é um exemplo dela?

MM: Claro. Daqui a alguns anos, quando olharmos com mais distanciamento, vamos ver que é tudo muito absurdo. A retórica política contamina a imprensa e os jornalistas começam a reproduzir esse discurso. Como é que ninguém questiona de forma categórica a posição do Cunha na condução do processo?

Como o Supremo se comporta daquela forma covarde e o Ricardo Lewandowski (então presidente do STF) assume o julgamento no Senado, presidindo a farsa do impeachment? Eu fiquei pensando que algum dia o Lewandowski iria acordar e dizer para a mulher dele: “não vou!”

Na discussão da pós-verdade há a história de que, no meio dessa desinformação, o jornalismo tradicional vai sobreviver por ser o “certificador”. Acho que essa é uma falsa questão. A mentira na internet é a que sempre circulou na mesa de bar ou no churrasco de domingo, mas agora está potencializada por um meio.

A verdade e a mentira na internet são as mesmas de uma conversa em qualquer lugar. A questão real é discutir o que é verdade ou mentira na grande imprensa, indo além de entregar para a capacidade de cada um a tarefa de discernir o que é certo e o que é errado.

Vimos especialmente na última eleição que o que prevaleceu foi a ignorância, que as pessoas são mal-informadas e têm formação política precária. A grande imprensa sabe que é fácil manipular esse público desinformado. A pós-verdade a ser discutida é a da grande imprensa, não a da internet. A internet mente como as pessoas sempre fizeram no mundo, mas a imprensa institucionalizada não pode mentir. 

CC: E ela está interessada em não mentir?

MM: Não poderia mentir. A questão é que o jornalismo perdeu as grandes missões que tinha. No Brasil, durante a ditadura, a própria imprensa conservadora acabou aderindo à causa da luta pela democracia. A pergunta é: qual a grande missão da imprensa brasileira hoje? A última foi derrubar a Dilma… Agora não sabem o que fazer: se abandonam o Temer ou não, se apostam numa eleição indireta – e, numa eleição direta, quem poderia salvar a direita? É uma situação complicada.

O jornalismo não tem nenhum apelo para vender a ninguém e não tem missão nenhuma a oferecer. O Lúcio Flávio Pinto (jornalista paraense) disse num recente depoimento que quem quiser saber sobre as grandes questões ambientais brasileiras nos anos 70 – quando a imprensa começou a falar, por exemplo, da devastação da Amazônia – vai ter que pesquisar no arquivo do Estadão.

Os jornais tinham essa missão: o debate dos grandes temas passava pelo jornalismo. O que o Lúcio Flávio quis dizer, com orgulho, é que ele participou disso e escreveu n’O Estado de S. Paulo coisas que ninguém mais escreveu sobre as questões ambientais. Mas hoje o Estadão pode dizer que tem alguma coisa que os outros não têm em relação a quê? Ao golpe? É triste isso.

CC: Na crônica que dá título ao livro, você faz considerações sobre o Uruguai e o ex-presidente José Mujica. Em que medida o Uruguai poderia ser um modelo para o Brasil?

MM: Conheci o Mujica em 2010, quando o Lula (então presidente) foi a Livramento (cidade gaúcha na fronteira com o Uruguai) se encontrar com ele. Depois da entrevista o Lula foi embora e o Mujica ficou por ali conversando com os jornalistas. Eu esperava um “ogro”, alguém com um discurso de ex-guerrilheiro e tal, mas ele veio com uma fala sofisticada que me impressionou.

Minha relação com o Uruguai é romântica e afetiva. Quando trabalhei em Livramento, de 1973 a 75, morei em Rivera, no Uruguai. Eram tempos de ditadura aqui e lá, e fui corrido de Rivera porque não tinha documento de residência. Acho o uruguaio uma figura humana fantástica, mas não vejo o país como possibilidade de modelo. É uma sociedade mais homogênea, com uma educação muito boa, mas lá a dimensão dos problemas é de outra escala.

O que vejo, mais como sonho, é que eles conseguiram formar a Frente Ampla (coalizão de esquerda criada em 1971 que governa o país desde 2005, com a primeira eleição de Tabaré Vásquez). Aqui, como poderíamos fazer isso? Uma frente de quem com quem?  

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!