Na pandemia, 4,9 milhões de brasileiros saíram da classe média para a baixa

71% dos brasileiros adultos da classe média estão com pelo menos uma conta em atraso, ou seja, mais de 54 milhões de consumidores

(Foto: Renato S. Cerqueira/ Futura Press/ Folhapress)

(Foto: Renato S. Cerqueira/ Futura Press/ Folhapress)

Sociedade

A pandemia do coronavírus fez com que 4,9 milhões de brasileiros saíssem da chamada classe média para a classe baixa. Com 100,1 milhões de pessoas com renda familiar de R$ 2.971,37 a R$ 7.202,57, é a primeira vez em 10 anos que o grupo se iguala, em representatividade da população brasileira, aos que têm renda familiar de R$ 262,02 a R$ 2.238,20. Cada grupo corresponde a 47% da população do país.

 

 

Os dados constam em estudo feito pelo Instituto Locomotiva, que realizou 1620 entrevistas em 72 municípios nos dias 21 e 22 de março.

O levantamento mostra que, de 2010 para cá, a classe média passou de uma representatividade de 54% para 47%. Em comparação com o ano passado, o índice passou de 51$% para 47%.

Já a classe baixa subiu de 38%, em 2010, para 43% em 2020, chegando aos atuais 47%.

Ainda de acordo com o estudo, seis de cada 10 brasileiros da classe média viram a renda diminuir no último ano. Destes, 19% atualmente sobrevivem com metade ou menos da metade do que arrecadavam antes da crise sanitária. Para 18% dos entrevistados, a renda segue igual, e para 11%, aumentou.

Os dados também mostram que 71% dos brasileiros adultos da classe média estão com pelo menos uma conta em atraso, ou seja, 54.393.000 de consumidores. A média é de 4,6 contas não pagas.

Entre os entrevistados, 35% afirmou ter aberto mão do serviço de babá ou doméstica; 23% cancelaram plano de saúde; e 18% transferiu o filho para a escola pública.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem