…

Museu de SP é acusado de pedofilia e rebate: performance não tem conteúdo erótico

Sociedade

Duas semanas depois de o banco Santander determinar o fechamento da exposição Queermuseu, em Porto Alegre, em meio a uma onda de críticas conservadoras, outra exposição artística se tornou alvo de protestos nas redes sociais. É a performance “La Bête”, apresentada pelo Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo na Mostra Panorama da Arte Brasileira.

A performance, realizada pelo coreógrafo carioca Wagner Schwartz, é, segundo o MAM, uma leitura interpretativa da obra “Bicho”, de Lygia Clark, artista historicamente reconhecida por proposições artísticas interativas. Um vídeo divulgado nas redes sociais que viralizou na noite de quinta-feira 28 mostra um trecho da performance, na qual uma mulher e uma criança interagem com Schwartz, que se encontra deitado e nu. A garota toca os pés e a canela do coreógrafo. 

Leia também:
O assalto dos “modernos fariseus”
Onde nasce o ódio?

Em nota, o MAM afirmou que a mulher que acompanhava a garota é sua mãe. Ainda segundo o museu, a sala onde a performance ocorreu “estava devidamente sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística” e o trabalho “não tem conteúdo erótico”. 

A resposta do museu foi dada após inúmeras manifestações de indignação com o vídeo, lideradas por setores conservadores, como o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e o Movimento Brasil Livre (MBL).

Em um vídeo divulgado no Facebook, Bolsonaro afirmou que, no vídeo, “uma criança é estimulada a tocar homem nu ’em nome da Cultura'”, e atacou os envolvidos na performance. “Só tenho uma coisa a dizer a esse tipo de gente: ‘canalhas, mil vezes canalhas'”. E emendou com uma aparente ameaça: “A hora de vocês está chegando”.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem