Sociedade

Morre aos 72 anos o psicanalista Contardo Calligaris

O escritor e dramaturgo estava internado no Hospital Albert Einstein, na zona sul de São Paulo, e fazia tratamento contra um câncer

Créditos: Luiz Evangelista/Divulgação Créditos: Luiz Evangelista/Divulgação
Créditos: Luiz Evangelista/Divulgação Créditos: Luiz Evangelista/Divulgação

Morreu nesta terça-feira 30, aos 72 anos, o psicanalista, escritor e dramaturgo Contardo Calligaris, em São Paulo. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein, na zona sul da cidade, e fazia tratamento contra um câncer.

Seu interesse por psicanálise começou depois de um doutorado em Semiologia com o escritor e intelectual francês Roland Barthes (1915-1980), um dos maiores linguistas de todos os tempos, finalizado em Paris. Calligaris também tinha formações em epistemologia genética, concluída na Suíça, e em Letras, o que lhe permitiu ensinar teoria da literatura.

Entre os seus principais livros estão Hello, Brasil! E outros ensaios – Psicanálise da estranha civilização (Publifolha), reeditado em 2017, e Cartas a um jovem terapeuta: Reflexões para psicoterapeutas, aspirantes e curiosos (Planeta), reeditado em 2019.

Também lançou dois volumes de ficção: O conto do amor, em 2008, e A mulher de vermelho e branco, de 2011, ambos publicados pela Companhia das Letras. Contardo foi ainda criador e roteirista da série Psi, exibida pela HBO a partir de 2014.

Nas redes sociais, o filho do psicanalista, Max Calligaris, prestou uma homenagem ao pai: ““Espero estar à altura”. Diante da proximidade da morte, essa foi a frase do meu pai. Ele se foi agora”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!