Monsanto é condenada a pagar 2 bilhões de dólares a casal com câncer

Este é o terceiro processo consecutivo que a empresa perde na justiça americana; doença é atribuída ao polêmico agrotóxico Roundup

glifosato

glifosato

Sociedade

Um júri dos Estados Unidos condenou nesta segunda-feira 13 a Monsanto, propriedade do grupo alemão Bayer, a pagar 2 bilhões de dólares a um casal de americanos com câncer atribuído ao polêmico agrotóxico Roundup, que contém glifosato. Este é o terceiro processo consecutivo que a empresa perde na justiça americana.

A ação movida pelo casal Pilliod corria em um tribunal de Oakland, na Califórnia, no oeste dos Estados Unidos. A sentença foi anunciada pelo tribunal californiano na segunda-feira, informou o escritório dos advogados do casal em e-mail enviado à AFP.

 

A indenização de 2 bilhões por danos morais – 1 bilhão de dólares por cônjuge – se soma a 55 milhões reembolsados a Alberta e Alva Pilliod por despesas médicas. Os dois desenvolveram linfomas e estimam que a doença foi provocada pelo Roundup, herbicida da Monsanto à base de glifosato. A justiça americana deu razão a eles.

“O júri viu os documentos internos da companhia que demonstravam que, desde o primeiro dia, a Monsanto jamais teve interesse em averiguar se o Roundup era seguro”, destacou o advogado Brent Wisner. “No lugar de investir em uma ciência sólida, aplicaram milhões para atacar a ciência que ameaçava sua agenda comercial”.

Bayer vai recorrer

Em seu comunicado, a Bayer se disse “decepcionada” com a sentença e anunciou a intenção de recorrer. O grupo alemão argumenta que diverge da recente conclusão da Agência de Proteção Ambiental americana sobre agrotóxicos à base de glifosato. “O consenso entre os principais reguladores de saúde, em todo o mundo, é que os produtos à base de glifosato podem ser manipulados de maneira segura e que a sustância não é cancerígena”.

Protesto em frente à sede da Bayer (Foto: Phillippe Loez/AFP)

O julgamento sobre o caso do casal Pilliod começou no final de março, logo após a empresa ser condenada, pelos mesmos motivos, a pagar 80 milhões de dólares a um septuagenário com linfoma não Hodgkin, atribuído ao uso do Roundup. Também neste processo, o júri considerou que o grupo deveria ter avisado sobre os possíveis riscos do uso do produto.

Em agosto de 2018, a Monsanto foi condenada a pagar 289 milhões de dólares a um jardineiro vítima do mesmo tipo de câncer, valor reduzido posteriormente por um juiz para 78 milhões.

A Bayer comprou a Monsanto no ano passado por 63 bilhões de dólares e enfrenta atualmente 13,4 mil ações envolvendo o Roundup nos tribunais dos Estados Unidos.

(Com informações da AFP)

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem