…

Militares usam máscaras de caveira durante operação na Rocinha

Sociedade

Soldados que atuam na operação do Exército na Rocinha, no Rio de Janeiro, têm utilizado lenços com desenhos de caveira para cobrir o rosto.

O Comando Militar do Leste (CML) informa que o uso de balaclava – como é chamado o acessório está previsto no regulamento de uniformes das Forças Armadas apenas nas cores preta e azul-ferrete.

Nesse sentido, o uso de peças em desacordo com tal regra está sendo apurado”, diz o órgão, em nota. Ainda de acordo com o CLM, a balaclava tem por finalidade “proteger contra intempéries” como sol, vento e frio.

Leia mais:
Como a legalização das drogas ajudaria o Rio de Janeiro?

Guerra do tráfico leva caos à Rocinha e outras comunidades

O Exército ocupa a comunidade desde a sexta-feira 22, após confrontos diários envolvendo facções rivais e a polícia.

O conflito começou no domingo 17, com uma disputa interna pelo controle do tráfico. De acordo com a polícia, o objetivo dos criminosos que invadiram o morro no domingo era tirar o controle das mãos de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157.

A ordem, diz a corporação, partiu de Antônio Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, ex-chefe do tráfico na comunidade, preso em penitenciária federal de segurança máxima em Porto Velho (RO).

Rocinha

O uso de máscaras fora do padrão não é autorizado pelo Exército

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem