Sociedade

Menina de 11 anos é baleada em comunidade no Rio de Janeiro

Em apenas quatro dias, é o segundo caso de criança baleada em uma favela no Rio

Divulgação/ONG Viva Rio
Divulgação/ONG Viva Rio

Uma menina de 11 anos de idade foi baleada na tarde deste terça-feira 24 no Morro da Mineira , no Catumbi, Região Central do Rio de Janeiro. Vitória Ferreira da Costa, de 11 anos, estava com sua mãe quando foi atingida por um tiro na perna.

Segundo informou a Secretaria Municipal de Saúde, Vitória deu entrada às 16h no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, e seu estado de saúde é estável. Não há informações sobre a mãe da menina, que também foi baleada.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar do Rio de Janeiro diz que não havia equipes da corporação na comunidade.

Esse é o segundo caso de uma criança baleada em apenas quatro dias. Ágatha Félix, de apenas 8 anos,  foi morta com um tiro nas costas na noite da última sexta-feira 22, quando estava dentro de uma Kombi com o avô, na comunidade Fazendinha, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio.

De acordo com relatos de moradores pelas redes sociais, o tiro teria sido disparado por militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), que miravam ocupantes de uma motocicleta em fuga. Em entrevistas à imprensa, familiares da menina afirmam que não havia confronto no momento do disparo.

Um projétil foi retirado da vítima no hospital. Posteriormente, fragmentos de projétil foram retirados de seu corpo com a ajuda de um scanner, no Instituto Médico Legal.

A Polícia Civil ouviu parentes da menina, o motorista da Kombi em que ela estava e outras testemunhas. Também foi realizada perícia no veículo. Ao longo da semana, os investigadores devem fazer uma reprodução do crime.

Governador culpa crime organizado

Desde que assumiu o governo do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) tem defendido uma política de endurecimento de ações da polícia contra o crime organizado nas favelas da capital fluminense.

O governador ficou em silêncio durante três dias sobre a morte de Ágatha. Depois de uma pressão social, Witzel culpou o crime organizado pela morte da menina e defendeu a política de segurança pública do governo do Rio de Janeiro.

“Tem sido difícil ver a dor das famílias que tem seus entes queridos mortos pelo crime organizado. Eu presto minha solidariedade aos pais da menina Ágatha. Que Deus abençoe o anjo que nos deixou”, disse Witzel, em entrevista coletiva.

Ao ser questionado sobre a demora para se pronunciar depois do crime, Witzel disse que o caso se transformou em “palanque político”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!