Sociedade

Manifestantes são reprimidos próximo ao Maracanã

Polícia Militar atirou bombas há menos de uma hora do início da partida entre Argentina e Bósnia; protesto tentava chegar próximo ao Maracanã

Há menos de uma hora do primeiro jogo da Copa do Mundo no Rio de Janeiro, policiais atiraram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha a quatro quarteirões do estádio
Há menos de uma hora do primeiro jogo da Copa do Mundo no Rio de Janeiro, policiais atiraram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha a quatro quarteirões do estádio
Apoie Siga-nos no

Há menos de uma hora do primeiro jogo da Copa do Mundo no Rio de Janeiro, policiais atiraram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha a quatro quarteirões do estádio. Mesmo sabendo que não conseguiriam chegar ao local da partida, cerca de 500 militantes tentaram ir em marcha até o local onde Argentina e Bósnia se enfrentariam no campo. Ao lado do estádio, encontraram um bloqueio da Tropa de Choque da PM carioca.

O protesto foi o que conseguiu chegar mais perto de um estádio até agora neste mundial. Em Belo Horizonte e em São Paulo, por exemplo, a polícia não permitiu que os manifestantes sequer se reunissem e saíssem em marcha. No Rio de Janeiro, a polícia se resumiu a acompanhar a manifestação. Ela revistou alguns manifestantes no local enquanto cinco helicópteros sobrevoavam o local.

Os manifestantes cariocas começaram a se reunir quatro horas antes na praça Seans Peña, a dois quilômetros do Maracanã.  O protesto foi organizado pela Frente Independente Popular, um grupo de movimentos sociais, anarquistas e outros militantes independentes. O grande número de jornalistas estrangeiros e ‘midialivristas’ se confundia aos outros manifestantes no local, sendo uma minoria deles adeptos da tática black bloc.

O primeiro bloqueio aconteceu quando os policiais fecharam a avenida Maracanã. Os manifestantes conseguiram se reagrupar e entrar por ruas estreitas, onde discutiram com moradores que criticavam os protestos e também lojistas.

Os manifestantes seguiram a partir de uma avenida paralela, a avenida professor Manuel de Abreu. Lá, a própria polícia destruiu o bloqueio da rua feito pela prefeitura e disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha sobre os manifestantes. Um coquetel molotov também foi atirado pelos manifestantes sobre a tropa de choque.

O combate fez com que os manifestantes se dispersassem pela região. Eles corriam na região oposta do estádio. Ao menos quatro deles ficaram feridos.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.