Justiça italiana revela teor de condenação ao jogador Robinho: ‘desprezo pela vítima’

O jogador e seu amigo Ricardo Falco foram condenados a nove anos de prisão após estuprarem uma mulher em uma casa noturna de Milão, em 2013

(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Sociedade

A Justiça italiana revelou, nesta terça-feira 9, o teor da sentença que condenou a nove anos de prisão o atacante Robinho pelo crime de estupro cometido em 2013 em uma boate, em Milão.

 

 

A Corte de Apelo de Milão, equivalente ao Supremo Tribunal Federal no Brasil, entendeu que a condenação deveria ser mantida dado o desprezo do acusado pela vítima, que os juízes concluíram diante de mensagens enviadas por Robinho comentando o caso, e também pela tentativa de enganar as investigações, com apresentação de versões falsas.

A decisão também condenou a nove anos o amigo do jogador Ricardo Falco, também envolvido no crime.

Na ocasião, Robinho, Ricardo e mais três pessoas não identificadas pela Justiça italiana violentaram uma mulher embriagada dentro de uma casa noturna na cidade.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem