Sociedade

Jovem Guarani Kaiowá é morto, indígenas retomam fazenda e ameaças de fazendeiros crescem no MS

Segundo lideranças indígenas, Alex teria sido assassinado em fazenda que, agora retomada, foi batizada de Japora

Em reação ao assassinato de jovem de 18 anos, comunidade Guarani Kaiowá de Taquaperi retoma fazenda onde ele teria sido morto - Foto: Comunidade Taquaperi
Em reação ao assassinato de jovem de 18 anos, comunidade Guarani Kaiowá de Taquaperi retoma fazenda onde ele teria sido morto - Foto: Comunidade Taquaperi
Apoie Siga-nos no

A tensão entre indígenas e fazendeiros escalou no Mato Grosso do Sul, na região que faz fronteira com o Paraguai. Neste sábado 21, um jovem Guarani Kaiowá de 18 anos, Alex Recarte Vasques Lopes, foi assassinado com ao menos cinco tiros. Em reação, indígenas da sua comunidade retomaram uma fazenda na cidade de Coronel Sapucaia (MS) e ali permanecem desde o domingo 22.

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), os acampados relatam que drones sobrevoam o local desde a tarde desta segunda-feira 23 e que fazendeiros se reuniram na estrada ao lado.

Ali perto e também neste fim de semana, no município de Japorã (MS), lideranças Guarani Ñandeva da Terra Indígena (TI) Yvy Katu relatam ter tido parte de seu território invadido por tratores e homens armados, pressionando para que a área seja cedida para arrendamento e monocultivo de soja.

Ambas as situações aconteceram enquanto era realizada uma reunião entre lideranças indígenas da região na TI Guaimbé, no município de Laguna Carapã (MS). Muitas delas, portanto, não estavam presentes durante os ataques vividos em seus territórios. A Aty Guasu, Grande Assembleia dos povos Guarani e Kaiowá, aconteceu entre os dias 17 e 21 de maio.

O assassinato do jovem Guarani Kaiowá 

Fotos fortes de Alex baleado estão circulando nas redes sociais de organizações do movimento indígena (atenção: as imagens são fortes). As organizações cobram apuração das autoridades federais e afirmam temer retaliação de policiais e fazendeiros. 

Questionado pelo Brasil de Fato sobre quais providências estão sendo tomadas, o Ministério Público Federal (MPF) de Ponta Porã disse que “não se manifestará”.

De acordo com lideranças indígenas da região, Alex havia saído junto com a esposa da reserva Taquaperi, onde viviam. Enquanto ela tomava banho no rio, ele foi buscar lenha. Da água, ela teria ouvido os tiros. Apavorada, voltou para a comunidade para pedir ajuda. O corpo do jovem foi encontrado do lado paraguaio da fronteira, a cerca de 10 km da reserva, na cidade de Capitán Bado.

Segundo relatos dos Guarani Kaiowá colhidos pelo Cimi, Alex teria sido assassinado dentro da área da fazenda que veio a ser retomada no domingo 22. Ela foi rebatizada de tekoha Jopara, que significa “diversidade”.

“A título de evitar que se repita a história de outras mortes que saíram impunes, o Cimi pede a federalização das investigações”, defende Flávio Machado, integrante do conselho no Mato Grosso do Sul.

Entre os assassinatos cometidos na mesma região e que ficaram sem respostas estão os de três lideranças do tekoha Kurusu Amba – Xurite, Ortiz e Oswaldo Lopes – cometidos entre 2007 e 2009.

A comunidade onde Alex vivia foi uma das oito reservas indígenas criadas, ainda no começo do século 20, pelo Serviço de Proteção ao Índio (SPI), órgão que depois se transformaria na Funai.

Indicando que atualmente a TI Taqueperi tem apenas 3.600 hectares para uma população de 3.300 indígenas, o assessor do Cimi Tiago Miotto descreve que “o confinamento e a apropriação, ao longo das décadas, de partes da área reservada por fazendeiros é uma das razões para que os Guarani e Kaiowá da reserva frequentem áreas de mata das propriedades vizinhas à reserva, reivindicadas pelos indígenas como parte de seu território tradicional”.

Yvy Katu, ameaças e arrendamento 

Lideranças da Aty Guasu informaram que a TI Yvy Katu, retomada em 2013, teve parte de sua área invadida por ao menos cinco tratores, caminhonetes e carretas com calcário desde a noite de sábado 21.

Árvores, pés de coqueiro e mata nativa teriam sido derrubadas para, forçadamente, lavrar a terra para que seja arrendada. Ainda de acordo com integrantes da Aty Guasu, caminhonetes de fazendeiros circularam ao redor das casas enquanto homens efetuaram disparos para cima.

Brasil de Fato
Site de notícias e radioagência dedicados à cobertura das lutas sociais, e notícias sobre política, economia, direitos humanos e cultura, sob uma visão popular

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.