Jovem é vítima de racismo após vencer concurso de beleza em MG

‘Esse negócio de inclusão social tá foda. É os preto é que tá mandando em tudo mesmo’, diz parte do áudio que circula WhatsApp

A jovem Maiza de Oliveira sendo coroada Rainha de Santo Antônio do Amparo (MG)
Foto: Reprodução EPTV

A jovem Maiza de Oliveira sendo coroada Rainha de Santo Antônio do Amparo (MG) Foto: Reprodução EPTV

Sociedade

A jovem Maiza de Oliveira, de 19 anos, se tornou mais um alvo de racismo no Brasil após vencer um concurso de beleza em Santo Antônio do Amparo, em Minas Gerais. A injúria racial circulou em grupos de mensagem da cidade com áudios gravados por uma moradora da região. O concurso para escolher a nova ‘rainha’ da cidade aconteceu no último fim de semana.

Nos áudios, uma mulher se mostra indignada ao saber que Maiza foi a vencedora do concurso:

“Gente, eu estava na roça e agora que eu vi o resultado. Ah, vou contar uma coisa procês: esse negócio de inclusão social tá foda. É os preto é que tá mandando em tudo mesmo. É cota na escola, é cota aqui, é cota ali…”, diz o áudio que circula em grupos de Whatsapp.

 

 

A Polícia Civil de Minas Gerais abriu inquérito para apurar o caso e já identificou a mulher dos áudios. Em outro trecho, ela diz: “e os branco tá tudo levando tinta. Da próxima vez, nós tem que pular num tanque de ‘criolina’ e sair tudo pretinha, aí pode candidatar a qualquer coisa, que ganha”.

A jovem, segundo a emissora local EPTV, já registrou boletim de ocorrência e prestou depoimento à Polícia. À EPTV, Maiza contou também que horas antes do concurso acontecer já circulavam áudios debochando de sua aparência.

Em nota divulgada nas redes sociais, a prefeitura de Santo Antônio do Amparo lamentou e repudiou o episódio.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem