Sociedade

Instituições pedem que governo Bolsonaro aceite missão da ONU para avaliar racismo no País

O pedido foi feito em carta aberta encaminhada ao ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto Franco França

O ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto de Franco França. Créditos: EBC O ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto de Franco França. Créditos: EBC
O ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto de Franco França. Créditos: EBC O ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto de Franco França. Créditos: EBC
Apoie Siga-nos no

Mais de 100 instituições da sociedade civil brasileiras e internacionais enviaram uma carta ao ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto Franco França, solicitando que o governo federal formalize um convite para que uma missão da ONU avalie a questão racial no País.

No documento, as instituições destacam a violência policial como ‘um problema crônico de direitos humanos no País’ e que impacta ‘desproporcionalmente a população negra, que tem quase três vezes mais chances de ser morta pela polícia do que população branca’.

Também recorrem aos dados mais recentes do Fórum Brasileiro de Segurança Pública que mostram que a polícia matou mais de 6.400 pessoas no Brasil em 2020, o maior número já registrado pelo levantamento.

Diante o cenário, recomendam a atuação do Mecanismo Internacional de Especialistas Independentes para Avançar em Direção à Justiça e à Igualdade Racial no Contexto da Aplicação da Lei atue antes da 51ª sessão do Conselho de Direitos Humanos, prevista para o segundo semestre de 2022.

“O Mecanismo Internacional de Especialistas Independentes para Avançar em Direção à Justiça e à Igualdade Racial no Contexto da Aplicação da Lei pode oferecer recomendações relevantes para enfrentar esse problema crônico. Essas recomendações poderiam incentivar reformas nas forças policiais que aumentem a transparência, a rendição de contas e a eficácia em sua missão de proteger todos os brasileiros, sem qualquer discriminação”, justificam na carta.

“Convidar o mecanismo seria uma medida positiva que demonstraria a disposição do governo para trabalhar com os órgãos da ONU no combate ao racismo e a discriminação racial, particularmente na aplicação da lei. Uma visita oficial daria aos membros do mecanismo a oportunidade de coletar informações, reunir-se com representantes do governo e do sistema de justiça, policiais, organizações da sociedade civil e comunidades diretamente afetadas. Sua avaliação independente e recomendações podem auxiliar as autoridades federais e estaduais a desenvolver e implementar reformas necessárias para defender os direitos fundamentais e promover a justiça e a igualdade”, acrescentam.

 

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.