Homem é assassinado após ser apontado como suspeito de crime por programa da Record

Em nota, produção do Cidade Alerta justificou que fez um apelo para que a população não fizesse justiça com as próprias mãos

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Sociedade

Um homem foi assassinado com sete tiros depois de ter sido apontado como suspeito de um crime pelo programa Cidade Alerta, da TV Record.

Na segunda-feira 13, o programa veiculou uma reportagem sobre o assassinato da jovem Priscila Martins, 18 anos, em Salto, interior de São Paulo.

Em determinado momento, o apresentador Luiz Bacci informou que a Polícia já tinha um suspeito e exibiu uma foto borrada do homem.

“Ainda não temos autorização para mostrar sem esse borrão. Mas quem conhece esse homem já passa informações para a polícia. Quem é amigo desse homem sabe quem é”, disse o apresentador, que ainda acrescentou: “Por favor, não façam justiça com as próprias mãos. Até porque ele é investigado.”

“Sabe alguma coisa dele? Sabe onde mora? Não tome você alguma medida já procurando ele direto. Não se arrisque. Conte para a polícia”, emendou o apresentador.

No entanto, de acordo com o boletim de ocorrência, o filho da vítima declarou que após a reportagem moradores da comunidade estiveram na casa do suspeito e o chamaram para conversar.

Na sequência, foi levado para um local desconhecido. Ainda de acordo com o documento, os próprios autores do crime exibiram imagens do corpo do homem suspeito em aplicativos de mensagens e redes sociais.

Ao UOL, a Record enviou uma nota explicando o motivo pelo qual exibiu a imagem do suspeito durante o programa.

“O ‘Cidade Alerta’ tinha as informações sobre o nome e a foto do suspeito. Entre amigos, familiares, testemunhas e moradores da região de Salto, todos já sabiam quem era. Inclusive a investigação aponta que a pessoa era conhecida de Priscila Martins, que foi encontrada morta depois de ser torturada e o corpo queimado. O mesmo suspeito é apontado como envolvido em outros crimes. Diante da revolta que a informação causou na região, o ‘Cidade Alerta’ decidiu não identificar o suspeito e fez um apelo para quem soubesse o paradeiro do investigado que informasse a polícia e que ninguém tentasse fazer justiça com as próprias mãos.”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem