Governo anuncia elevação de alerta para “emergência” por coronavírus

Governo deve repatriar brasileiros que estão em Wuhan, na China, e submetê-los a quarentena

Foto: Mohd RASFAN / AFP

Foto: Mohd RASFAN / AFP

Sociedade

Mesmo sem casos confirmados de infecção por coronavírus, o governo vai elevar o nível de alerta em saúde e decretar estado de emergência, segundo anúncio do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, nesta segunda-feira 3. Com isso, o país sai do nível 2, “perigo iminente”, e chega ao terceiro nível dos alertas.

O ministro afirmou que a medida vai viabilizar a repatriação de brasileiros que estão em Wuhan, na província de Hubei, principal foco de casos do surto na China. O governo também deve encaminhar ao Congresso Nacional uma Medida Provisória para definir os critérios de quarentena.

Mandeta informou que foram identificados 55 brasileiros na região de Wuhan. Destes, 40 brasileiros querem retornar ao país. Assim que chegarem ao Brasil, devem ser submetidos a quarentena, de acordo com procedimentos internacionais, durante 18 dias. Ainda não há local definido para a realização da quarentena. O governo cogita utilizar uma base militar em Anápolis (GO) e outra em Florianópolis (SC).

No domingo, um grupo de brasileiros que está na China publicou uma carta aberta, no YouTube, pedindo ajuda ao governo do presidente Jair Bolsonaro para voltar ao Brasil. O país asiático já contabilizou 360 casos de mortes.

Na região da província de Hubei, foram 2.103 novos casos de contaminação diagnosticados. Dessa forma, o impacto do novo coronavírus supera o número de mortes causadas pela epidemia de Sars em 2002-2003. que

Segundo o Ministério da Saúde, o país tem 16 casos suspeitos, sem nenhuma confirmação. São seis pacientes em São Paulo, quatro no Rio Grande do Sulo, dois em Santa Catarina, um no Ceará e um no Paraná.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem