Fome no Brasil: 10 milhões de pessoas vivem insegurança alimentar grave

Quadro é mais grave no Norte e no Nordeste; quase 85 milhões de brasileiros moram em casas com alguma restrição de acesso à comida

Doação de alimentos feita pelo MST (Foto: Giorgia Prates/MST)

Doação de alimentos feita pelo MST (Foto: Giorgia Prates/MST)

Sociedade

Ao menos 10,3 milhões de pessoas enfrentaram algum grau de insegurança alimentar entre 2017 e 2018, o que configura o maior índice registrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 2004, quando o levantamento foi feito pela primeira vez.

A pior situação está no Norte e no Nordeste, onde menos da metade das casas tinha garantia de alimento e era chefiada especialmente por mulheres em condições de vulnerabilidade.

As informações são do levantamento “Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018: Análise da Segurança Alimentar no Brasil”, divulgado nesta quinta-feira 17 pelo IBGE.

A pesquisa indicou um retrocesso em relação ao acesso à alimentação no Brasil desde 2004, e a segurança alimentar atingiu seu patamar mais baixo (63,3%). A proporção direta faz com que a insegurança alimentar tenha atingido seu ponto mais elevado.

“Em 2017-2018, a gente viu que esse grau de segurança alimentar diminuiu e, como é tudo proporcional, significa também que as inseguranças aumentaram. Há uma distribuição. Alguma coisa nesse intervalo de tempo fez com que as pessoas reavaliassem sua visão sobre o acesso aos alimentos, apontando uma maior restrição ou, pelo menos, a estratégia de selecionar ou administrar alimentos para que não falte quantidade para ninguém”, explica o gerente da pesquisa, André Martins.

O órgão classifica os domicílios de acordo com seu nível de segurança em relação ao acesso aos alimentos em quantidade e qualidade.

Em 2017/2018, por exemplo, cerca de 43,6 milhões de casas tinham segurança alimentar. “São domicílios que têm acesso pleno e regular aos alimentos em quantidade suficiente sem comprometer o acesso de outras necessidades essenciais, ou seja, que não têm preocupação em relação ao acesso aos alimentos”, diz Martins.

Já os domicílios com insegurança alimentar grave são aqueles nos quais os moradores passaram por algum tipo de privação severa de alimentos, o que leva ao estado de fome. O índice varia de acordo com o acesso facilitado ao alimento.

A pesquisa aponta vulnerabilidade em lares com crianças e adolescentes. Segundo o IBGE, cerca de 6,5 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade viviam sob algum nível de insegurança alimentar.

No entanto, o índice piora com o avanço da idade. A insegurança grave atingiu 5,1% dos com menos de 5 anos, enquanto 7,3% das crianças e jovens entre 5 e 17 anos viviam sob risco de fome.

 

Consumo de arroz é maior em lares com insegurança grave

 

Segundo o IBGE,  o gasto com alimentos mais básicos, como arroz, feijão, aves e ovos é maior entre o grupo de insegurança alimentar grave. Por outro lado, a compra de carnes, vísceras e pescados é maior entre os com falta de dificuldade de acessar os alimentos.

A maior diferença entre os grupos foi observada em relação ao arroz: “o gasto médio mensal dos domicílios em segurança alimentar foi de 11,32 reais, enquanto nos de insegurança alimentar grave foi de15,01”, detalha a pesquisa.

Apesar da informação ser do biênio 2017-2018, ela contrasta com os atuais preços disparados do arroz e de outros produtos da cesta básica no supermercado.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem