Sociedade

Extrema pobreza atinge 13,5 milhões, maior índice em sete anos

Esse contingente de pessoas se equivale à população da Bolívia, Bélgica, Cuba, Grécia e Portugal, pontua o IBGE

Pobreza no Brasil atinge recordes, diz IBGE (Foto: Arquivo/Agência Brasil)
Pobreza no Brasil atinge recordes, diz IBGE (Foto: Arquivo/Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

Em 2018, 13,5 milhões de brasileiros estavam vivendo com uma renda mensal per capta (por pessoa) inferior a R$ 145, o que caracteriza condição de extrema pobreza para os parâmetros do Banco Mundial. Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira 06 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O número é o maior registrado desde 2012, um percentual de 6,5% da população. Em comparação, esse contingente de pessoas se equivale à população da Bolívia, Bélgica, Cuba, Grécia e Portugal, pontua o IBGE.

Para o pesquisador André Simões, que coordenou o estudo, esse grupo de pessoas precisa de maiores cuidados por parte do Estado, o que inclui “políticas públicas de transferência de renda e de dinamização do mercado de trabalho”, diz.

Comparativo da pobreza nos estados brasileiros. (Fonte: Agência IBGE)

O Bolsa Família, um dos principais meios de redução de desigualdade no País, está com valor desatualizado e insuficiente em relação com o valor global de assistência social adotado no mundo, analisa Leonardo Athias, também do IBGE. “Por falta de correções monetárias, hoje o valor de R$ 89 é abaixo do valor global indicado pelo Banco Mundial”, explica.

“É fundamental que as pessoas tenham acesso aos programas sociais e que tenham condições de se inserir no mercado de trabalho para terem acesso a uma renda que as tirem da situação de extrema pobreza”.

O estudo também analisou os impactos no aumento da desigualdade, que também foi comprovada pelos números. Entre 2012 e 2014, o grupo dos 40% mais pobres viu um aumento de R$50 no rendimento doméstico. A partir de 2015, o número voltou a cair. A situação inversa aconteceu para a fatia mais rica: no final de 2018, o rendimento médio atingiu R$ 5764, o maior da série histórica.

*Com informações da Agência IBGE

Giovanna Galvani

Giovanna Galvani
É repórter do site de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.