Sociedade

“Era uma cena dantesca”, diz juiz que visitou presídio de Manaus

Luís Carlos Valois negociou a libertação de reféns no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, onde dezenas de presos foram assassinados

Luís Carlos Valois é juiz da Vara de Execução Penal do Tribunal de Justiça do Amazonas. Mensalmente, ele visita o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, para verificar aspectos como as condições do local e a progressão de pena dos detentos. Na manhã desta segunda-feira 2, Valois se deparou na casa de detenção com um pesadelo: uma pilha de corpos de presos assassinados durante a rebelião. 

Integrante da associação Juízes para a Democracia, Valois é conhecido por defender os direitos dos presidiários. Na noite de domingo 1º, deixou sua casa rumo ao Compaj atendendo um pedido do secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes. O nome de Valois tinha sido sugerido pelos presos como interlocutor para negociar o encerramento do motim. 

Ainda na noite de domingo, o magistrado ajudou na entrega de três reféns e conseguiu que os presos deixassem a área onde ficam os detentos do regime semi-aberto, contígua à área reservada aos de regime fechado. As negociações seguiram pela madrugada, mas só na manhã desta segunda os presos aceitaram encerrar o motim e entregar o restante dos reféns. Ali, o massacre veio à tona.

“Quando eles estavam entregando os reféns, vi os corpos que sobraram. Era uma cena dantesca”, afirma Valois em entrevista por telefone a CartaCapital. Segundo o juiz, os presos mortos no local foram esquartejados e seus membros foram empilhados na porta do presídio. “Parecia um contêiner de braços e pernas, uma cena chocante”, diz.

A rebelião no Compaj terminou com ao menos 60 mortos, segundo Sérgio Fontes, o secretário de Segurança Pública do Amazonas. O número ainda não está confirmado, mas esta é a maior matança em um presídio brasileiro desde 1992, quando 111 detentos foram mortos por policiais militares durante o Massacre do Carandiru, em São Paulo.

O motim começou no início da tarde de domingo, durante o horário de visita, e terminou quase 17 horas depois. Ao menos 12 agentes penitenciários da empresa terceirizada Umanizzare e 74 presos foram feitos reféns. Parte desses detentos foi assassinada e ao menos seis foram decapitados.

Entre eles estavam estupradores, delatores e também integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), uma das principais facções criminosas a agir nos presídios brasileiros. Alguns corpos foram arremessados por sobre os muros do complexo.

Guerra de facções

As autoridades estaduais afirmaram que o conflito foi motivado por brigas entre duas facções rivais, a Família do Norte (FDN), ligado ao Comando Vermelho, originário do Rio de Janeiro, e que detém o domínio do Compaj, e o PCC, de São Paulo, que avança pelo País. “Tudo indica que foi o ataque de uma facção maior contra uma menor para eliminar a concorrência”, afirmou Fontes.

Para ele, trata-se de um problema nacional, e não localizado no Amazonas. “É preciso que todas as entidades federativas se empenhem ao combate ao narcotráfico. Evitamos várias rebeliões, mas ontem não conseguimos”, disse.

A disputa entre o Comando Vermelho e o PCC teve início quando as duas organizações romperam um acordo de paz. Um mês depois, em outubro de 2016, ocorreram dez mortes no presídio de Roraima, e mais oito mortes em Rondônia.

Á época, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou que se tratava de uma “situação pontual”, e que não havia necessidade de pedir o reforço da Força Nacional, embora autoridades locais afirmassem o contrário. Fontes afirmou que, agora, o ministro colocou-se à disposição do governador José Melo (PROS) para o que fosse preciso, como transferências para presídios federais e envio da Força Nacional.

Tudo indica que a ação no Compaj foi premeditada. Poucas horas antes do início da rebelião, dezenas de detentos tinham conseguido escapar de outra unidade prisional de Manaus, o Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat). Seria uma tentativa de tirar o foco do que estava acontecendo no Compaj.

Até a demora nas negociações seria parte da estratégia. A intenção da FDN seria arrastar o diálogo para conseguir assassinar os presos rivais. “Eles não fizeram exigências difíceis, pois a intenção era exterminar a facção rival, e pediram a estadia de todos dentro da unidade prisional e acompanhamento dos direitos humanos”, disse Pedro Florêncio, titular da secretaria de Estado de Administração Penitenciária.

As autoridades amazonenses prometem investigar a chacina e descobrir os responsáveis por ela. Para Valois, a chance de essa empreitada ter sucesso é pequena. “Acho que nunca vamos saber quem matou quem”, disse. Ativista de direitos humanos, Valois ainda não consegue mensurar o impacto que as cenas vistas no presídio terão sobre ele. “É algo que nos deixa fragilizados. Ainda nem sei que impacto isso vai ter em mim”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!