Em meio à pandemia, WhatsApp restringe compartilhamento de informações

A partir de agora, mensagens altamente replicadas só poderão ser encaminhadas uma por vez, para evitar a circulação de informações falsas

Créditos: EBC

Créditos: EBC

Sociedade

O Whatsapp vai impor a partir desta terça-feira 7 novas regras para encaminhar mensagens via aplicativo. Hoje, as mensagem podem ser enviadas por um usuário a até cinco contatos por vez. A partir de agora mensagens muito replicáveis poderão ser encaminhadas para apenas uma pessoa, grupo ou lista de transmissão de cada vez.

A medida é uma forma de restringir a capacidade de informações falsas se espalharem pela plataforma, principalmente diante à epidemia de coronavírus.

Antes, as mensagens encaminhadas com frequência, nos grupos, já eram sinalizadas por setas duplas, uma maneira do administrador limitar o envio de mensagens que já circulavam com frequência. Agora, também cairão nesse critério as mensagens que circularem fora dos grupos de mensagens. A regra vale para qualquer tipo de conteúdo, independente se falso ou verdadeiro.

 

Supondo que uma pessoa tenha criado uma mensagem de interesse público e encaminhado a um grupo do bairro. Esse conteúdo é replicado por um outro integrante a mais duas pessoas. Outra pessoa, a encaminha para mais três. A partir daí, se alguém tiver interesse de replicar a mensagem para mais quatro pessoas, só fará um envio por vez.

Até julho de 2018, o Whatsapp permitia que um usuário repassasse um conteúdo a 250 contatos de uma só vez. Depois disso, o número caiu para 20. Em janeiro de 2019, a plataforma aplicou nova restrição e reduziu a possibilidade de encaminhamento para cinco usuários.

A plataforma também está atuando para banir perfis que atuam para enviar mensagens automatizadas ou em massa. Por mês, dois milhões de contas têm sido banidas, segundo a plataforma. Um novo recurso ainda se encontra em período de testes, a possibilidade de checar se uma informação encaminhada é verdadeira ou não, clicando em um ícone de uma lupa. A expectativa da plataforma é de que caia a circulação de rumores e notícias falsas, com a possibilidade dos usuários checarem a veracidade da informação antes de repassá-la.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem