Eles votam nelas: campanha convida homens a elegerem mulheres

Segundo Tribunal Superior Eleitoral, candidatura de mulheres bateu recorde este ano, mas caminho até eleição ainda é cheio de desafios

Campanha quer que homens reflitam sobre a importância de mulheres na política. Créditos: divulgação

Campanha quer que homens reflitam sobre a importância de mulheres na política. Créditos: divulgação

Sociedade

A candidatura de mulheres nas eleições municipais deste ano bateu recorde de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nas últimas três eleições, o percentual de candidatas mulheres não ultrapassou os 32%, este ano chegou a 33,3%. Ainda que pese sobre o cenário a ação compensatória de que os partidos têm que respeitar o percentual mínimo de 30% de mulheres entre suas candidaturas a câmaras e assembleias, o fato é que elas têm um interesse cada vez maior de garantir um espaço na vida política.

 

 

A efetivação nos cargos, no entanto, ainda enfrenta desafios. Mulheres são comumente utilizadas por partidos como ‘candidatas laranjas’, uma isca para que as legendas simulem o cumprimento da obrigatoriedade, e repassem os recursos para candidatos homens.

Diversos movimentos apostam na mobilização como estratégia para reverter esse cenário. De modo geral, essas iniciativas destacam a importância da presença de mulheres em cargos do Legislativo, e sensibilizam eleitores para as candidaturas femininas.

A luta não se restringe ao universo feminino, e vem ganhando apoio de homens que também querem uma representatividade mais igualitária na política. É o caso da campanha #Elesvotamnelas, idealizada pelo terapeuta holístico Agni Santoro.

A iniciativa, de caráter suprapartidário, acontece nas redes sociais, e busca mobilizar os eleitores homens, “chamando-os para participar ativamente dessa construção da igualdade de gênero”, explica Santoro, que estuda a masculinidade e suas formas de desconstrução.

“Tradicionalmente, os homens estão mais ligados à política, até por uma questão de acesso à informação. Tanto que ainda temos mulheres que votam influenciadas pelo pai, marido, perpetuando o machismo”, observa.

Para Santoro, não se trata apenas de direcionar o voto a uma candidata mulher, mas de questionar o baixo número de parlamentares eleitas e de entender como a presença feminina em cargos de liderança pode influenciar positivamente outras gerações: “A gente diz para as meninas que sim, elas também podem estar lá”.

A campanha, explica o idealizador, quer contribuir com o processo educativo do voto. “Política é representatividade, por isso a importância de escolher alguém que dialogue com as minhas dores, angústias, esperanças”, atesta. “É fundamental que o eleitor encontre uma candidata mulher que vá ao encontro dos seus valores”.

Ainda assim, Santoro fala sobre a importância de agendas que se comprometam com a preservação dos direitos das mulheres. “Por exemplo, vimos que os casos de violência contras as mulheres cresceu durante a pandemia”, diz ele. “Isso deve ser motivo de indignação de todos nós, estar em nossas reflexões diárias, e portanto, se constituir como uma pauta comum, independente de ideologias”.

Inspirada na He for She, iniciada pela ONU Mulheres em 2014, a campanha pretende uma comunicação descentralizada, em que apoiadores criem suas próprias peças, e fortaleçam a mensagem central. Na agenda, também estão previstos bate-papos virtuais, idealizados por Agni Santoro, que anteriormente já promovia um trabalho acerca da desconstrução da masculinidade dominante com homens, casais e também promovendo consultorias a empresas.

A campanha #Elesvotamnelas conta com o apoio de movimentos como Diálogos Masculino, Portal Mundo Homem, Macho do Século 21, Construindo Masculinidades, Projeto Masculinidades, Masculinidade Saudável, e iniciativas femininas como o #VoteNelas.

 

‘Significaria uma democracia melhor’

Para Luiz Eduardo Kfouri, idealizador do Portal Mundo Homem e apoiador da campanha, a representação mais igualitária favorece a democracia.

“Considero a super-representação de qualquer grupo prejudicial à legitimidade das instituições. Portanto, melhorar a sub-representação das mulheres é uma questão de melhorar a qualidade da representação para todos”.

Ele também aponta a importância do lugar de fala das mulheres frente a pautas sobre equidade de gênero. “Me parece complexo homens, por mais engajados e interessados que estejam em pautas que promovam a equidade de gênero, conseguirem efetivamente representar as mulheres e quem se identifica como mulher. Esse é um lugar de fala único e exclusivo delas, e a presença aumenta a chance das questões das mulheres serem discutidas e amplificadas”.

 

Apoio feminino

A cofundadora do coletivo Vote Nelas, Amanda Brito, também defende mobilizações que tenham foco nos eleitores homens: “Precisamos mobilizá-los, conscientizá-los de que não se trata de uma caridade; estamos falando de um lugar que a mulher também pode ocupar”.

A especialista reforça os desafios que se colocam para além das candidaturas, “afinal, não queremos só ser votadas, queremos ser eleitas”.

 

Reprodução: Redes Sociais

 

Ela chama a atenção, sobretudo, para a participação das mulheres negras: “Nós, pessoas pretas, queremos ser reconhecidas no todo, entre capacidades, direitos e deveres. Quando deixamos as mulheres somente com deveres, estamos cometendo injustiça”.

Amanda fala sobre a importância dos eleitores fiscalizarem de perto o que os partidos estão fazendo com o fundo especial e o partidário eleitoral para efetivarem a campanha de seus candidatos. “Temos um número maior de pretos e pretas concorrendo, mas o que as legendas estão fazendo para que essas eleições possam acontecer?”, questiona. De acordo com o TSE, o número de candidatos negros concorrendo às eleições municipais também bateu recorde, e superou o contingente de candidatos brancos.

Ela sugere a plataforma 72 horas, que permite acompanhar como os partidos estão realizando o repasse. É possível verificar por estados, municípios, legendas e a partir de um recorte de raça. Segundo a plataforma, de um acumulado de repasses de mais de 647 milhões, pouco mais de 474 milhões foram repassados a candidatos do gênero masculino, e 172 milhões para o gênero feminino.

“As mulheres são capazes e realizadoras em qualquer espaço, não é diferente na política. Não podemos aceitar o lugar de cotas para as mulheres, estamos falando de uma reserva de Estado. Estamos prontas para assumirmos o nosso lugar na política e falarmos de pautas de gênero sim, mas também de saúde, educação, meio ambiente, jurídico, legislativo”, defende.

 

O movimento #VoteNelas possui um total de 35 embaixadas em 26 estados, mais o Distrito Federal, onde embaixadoras cuidam de disseminar conteúdos sobre representatividade e equidade de gênero na política. As discussões também são levadas para eventos locais promovidos pelo coletivo, bem como suscitadas nas páginas das redes sociais.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem