Eduardo Cunha, o comentarista esportivo

Sociedade

“O senhor é um herói do povo brasileiro, além de livrar a gente do PT curte um futebol maroto no domingão”, elogiou uma fã de Eduardo Cunha após o ex-deputado publicar “Viva o Mengão, rumo ao título” em seu perfil no Twitter.

Após ter seu mandato cassado e ser abandonado por Michel Temer, Cunha parece ter bastante tempo livre. Enquanto prepara um livro sobre os bastidores do impeachment de Dilma Rousseff e aguarda os desdobramentos das investigações da Lava Jato sobre seu envolvimento em esquemas de corrupção, manifesta-se com frequência sobre a boa fase de seu time, o Flamengo, vice-líder do Brasileirão.  

Em 17 de setembro, o peemedebista afirmou que iria “voltar a interagir mais” na rede social. Suas últimas postagens não tratam sobre outro tema que não seja a campanha do time carioca. O deputado cassado não se restringe à torcida, faz as vezes de comentarista esportivo.

No domingo 18, quando a equipe rubro-negra enfrentou o Figueirense, Cunha criticou a displicência do time. “Era para ter goleado”. Em seguida, cornetou o jovem atacante Filipe Vizeu. Colocou até mesmo em dúvida as chances de o time chegar ao título: “Mengão sobrou no jogo e foi displicente demais para quem quer ser campeão”.

A maior parte dos seguidores do deputado não deixou barato. “Rouba esse Brasileirão para nós”, “Compra o Neymar para gente” e “o cheiro de hepta está tão forte que chegou até na Suíça” foram algumas das ironias feitas pelos usuários da rede social.

Cunha também cornetou o Corinthians, que perdeu recentemente para o Palmeiras, líder do campeonato, e frustrou as chances de a equipe rubro-negra chegar à liderança. “Na hora que os curinguinhas podiam dar uma mãozinha, vem esse vexame”. Se não fosse sobre futebol, a frase bem poderia ser mais um recado velado para o atual governo…

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem