Ecko, chefe de maior milícia do Rio, morre em operação da polícia

Miliciano foi baleado e levado ao hospital mas já chegou sem vida, informaram autoridades

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Sociedade

O chefe da maior milícia do Rio de Janeiro, Wellington da Silva Braga, conhecido como “Ecko”, morreu neste sábado 12 após ser encurralado em uma operação da Polícia Civil.

Segundo informações da polícia, Ecko foi baleado durante confronto da Operação Dia dos Namorados. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas, segundo a Secretaria Municipal da Saúde, chegou morto no local.

Ecko foi capturado enquanto visitava parentes na Comunidade das Três Pontes, no bairro de Paciência, Zona Oeste do Rio, informou a polícia.

Nas redes sociais, o governador do Rio, Cláudio Castro (PSC), parabenizou a ação. “Demos um golpe duro nas facções criminosas do Estado”, escreveu.

Apesar de nunca ter sido policial, a milícia Bonde do Ecko é responsável pelo domínio de boa parte da Zona Oeste do Rio de Janeiro, e também regiões da Baixada Fluminense.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem