Dona de casa vai à Justiça por auxílio emergencial de mil dólares, conforme declarou Bolsonaro

Pelo valor anunciado pelo presidente na ONU, os trabalhadores teriam que receber 5540 mil reais, com base na atual cotação do dólar

PRESIDENTE JAIR BOLSONARO. FOTO: EVARISTO SÁ/AFP

PRESIDENTE JAIR BOLSONARO. FOTO: EVARISTO SÁ/AFP

Política,Sociedade

Uma dona de casa do Rio de Janeiro entrou na Justiça para cobrar a diferença do auxílio emergencial, com base na declaração do presidente Jair Bolsonaro durante Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU). Em seu discurso, Bolsonaro afirmou ter pago cerca de mil dólares de auxílio emergencial por pessoa. A dona de casa está requerendo a diferença, já que recebeu 2,4 mil, em quatro parcelas de 600, como os outros beneficiados.

Os trabalhadores aprovados na programa de renda emergencial receberam, no máximo, somando as parcelas, 4,2 mil, o que equivale a US$ 766.

Com base nos mil dólares anunciados pelo presidente, as advogadas da dona de casa – Leila Loureiro e Noemy Titan – afirmam em petição que o valor total recebido deveria ser de 5.540, com base na atual cotação do dólar.

As advogadas sustentam que o valor recebido teve “importantíssima relevância”, mas que não foi o suficiente para gastos como saúde, educação e moradia. Elas pedem ainda dano moral, totalizando a causa em R$ 9.420.

“Dados os fatos acima, busca a presente pretensão o pagamento da diferença entre o valor recebido e o valor declarado pelo Presidente, de modo a materializar fielmente o benefício financeiro que foi destinado aos brasileiros, segundo expressamente proclamado pelo Chefe maior do estado”, argumentam.

A juíza federal substituta Angelina de Siqueira Costa intimou a União Federal a prestar informações em 10 dias e, caso não reconheça o pedido, apresente contestação em até 30 dias.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem