Desemprego recua para 12% mas rendimento cai, diz IBGE

Taxa recuou 0,7%, segundo Pnad Contínua. O número de pessoas que desistiram de procurar emprego é recorde

Desemprego recua para 12% mas rendimento cai, diz IBGE

Sociedade

A taxa de desocupação no Brasil no trimestre encerrado em junho de 2019 ficou em 12% e a subutilização foi de 24,8%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio – Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta quarta-feira 31 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para o IBGE, ‘desocupados’ são aqueles que procuraram por emprego na semana em que foram entrevistados pelo IBGE, mas não encontraram um trabalho. Os funcionários ‘subutilizados’ são as pessoas que trabalharam menos de 40 horas semanais, mas gostariam de trabalhar mais para complementar a renda, por exemplo. Com isso, são 12,8 milhões de pessoas sem trabalho no País e 28,4 milhões que trabalham menos horas do que poderiam.

Houve ligeira queda na comparação com o trimestre anterior, quando a desocupação estava em 12,7% e a subutilização em 25%. No mesmo período do ano passado, as taxas eram de 12,4% e 25,5%, respectivamente.

O rendimento real habitual apresentou queda de 1,3%, caindo de 2.321 reais no primeiro trimestre do ano para 2.290 reais na última medição. Esse valor consiste no rendimento recebido sem acréscimos extraordinários, como bonificações, ou descontos esporádicos, como eventuais faltas.

A pesquisa também mostrou que o número de desalentados – pessoas que desistiram de procurar trabalho na região, e que fazem parte dos trabalhadores em potencial – se manteve recorde no percentual da força de trabalho, com 4,4%, que totaliza em 4,9 milhões.

*Com Agência Brasil

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem