Criação do Parque Bixiga é aprovada na Câmara de São Paulo

A decisão é uma vitória para o Teatro Oficina, que há 40 anos disputa com o Grupo Silvio Santos o terreno para a construção do parque

Manifestantes abraçam o terreno do Parque Bixiga. Foto: reprodução/ Teatro Oficina.

Manifestantes abraçam o terreno do Parque Bixiga. Foto: reprodução/ Teatro Oficina.

Sociedade

A Câmara dos Vereadores da cidade de São Paulo aprovou, nesta quarta-feira 12, a criação do Parque Bixiga, na região central de São Paulo. O projeto agora segue para a análise do prefeito Bruno Covas (PSDB), que pode sancionar ou vetar a matéria.

A decisão, que foi unanime entre os vereadores, é uma vitória para o  diretor do Teatro Oficina Uzyna Uzona,  José Celso Martinez Corrêa. Isso porque o dramaturgo travou uma briga de mais de 40 anos com o  Grupo Silvio Santos, que pretendia construir três prédios de até 100 metros de altura na região, prejudicando a construção do teatro, que é tombado desde 2010 pelo patrimônio histórico nas esferas federal, estadual e municipal.

A construção atual do Teatro Oficina foi projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi em 1992 e inaugurada em 1993. Um estudo feito pelo grupo concluiu que se os 3 condomínios fossem construídos, o local teria luz natural durante apenas duas horas por dia.

O Projeto de Lei 805/2017 é de autoria do vereador Gilberto Natalini (PV-SP) e da ex-vereadora e atual deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL). Ambos comemoraram a decisão que consideram uma vitória para o povo do bairro do Bixiga e da cidade de São Paulo.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem