Covid começa a tirar algumas estrelas dos Jogos de Tóquio

Neste domingo, a doença tirou duas de suas estrelas, dois golfistas, o espanhol Jon Rahm e o americano Bryson DeChambeau

Créditos: EBC

Créditos: EBC

Sociedade

A Covid-19 voltou a assumir o protagonismo nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Depois do adiamento por um ano provocado pela doença, nos últimos dias a pandemia afastou vários participantes do evento. Mas, neste domingo, a questão foi mais longe e tirou duas de suas estrelas, dois golfistas, o espanhol Jon Rahm e o americano Bryson DeChambeau.

 

 

 

Em apenas quatro horas, ambos ficaram fora do evento devido a dois testes positivos para o coronavírus. DeChambeau, o campeão do Aberto dos Estados Unidos em 2020, se tornou o primeiro grande astro a perder os Jogos devido à Covid-19.

“Estou profundamente decepcionado por não poder competir nas Olimpíadas com a equipe dos Estados Unidos”, desabafou DeChambeau em um comunicado.

“Representar meu país é tudo para mim e foi uma grande honra fazer parte da equipe. Desejo à equipe dos EUA muita sorte na próxima semana em Tóquio”.

O ‘Team USA’ Golf é agora composto por Patrick Reed, Justin Thomas, Collin Morikawa e Xander Schauffele na competição masculina, e Nelly Korda, Danielle Kang, Lexi Thompson e Jessica Korda na feminina.

Depois foi a vez do golfista Jon Rahm, número 1 do mundo, que tampouco poderá disputar o torneio olímpico, informou o Comitê Olímpico Espanhol (COE).

 

Covid persegue Rahm

O positivo de Rahm, uma das maiores esperanças de medalha da Espanha, foi “detectado por meio de um terceiro teste PCR consecutivo obrigatório para todos aqueles que estiveram recentemente no Reino Unido”, divulgou o COE.

O golfista espanhol terminou em terceiro no British Open em 18 de julho, pouco antes dos Jogos Olímpicos na capital japonesa.

O COE indicou que os “dois primeiros testes de PCR foram negativos”.

Esta é a segunda vez que Rahm pega Covid-19, depois de testar positivo para a doença em junho durante o PGA Memorial Tournament, nos Estados Unidos, quando liderava a competição.

Naquela ocasião, o espanhol foi informado de sua infecção ao final de sua participação na terceira rodada. Alguns dias depois, ele se recuperou e se tornou o primeiro espanhol a vencer o Aberto dos EUA.

Em outro caso, o ciclista alemão Simon Geschke testou positivo para Covid-19 na sexta-feira e teve que desistir da prova de estrada no sábado, segundo o Comitê Olímpico Alemão (DOSB).

O DOSB indicou que Geschke testou positivo em um exame de antígeno, posteriormente confirmado por um PCR e ficou de fora da prova de 234 quilômetros nas encostas do Monte Fuji.

Seis casos de Covid-19 foram detectados na delegação tcheca antes mesmo da abertura dos Jogos, entre eles o ciclista Michal Schlege e a jogadora de vôlei de praia Marketa Nausch Slukova.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem